"Somos Físicos". Assuntos diversos relacionados a Ciência, Cultura e lazer.Todos os assuntos resultam de pesquisas coletadas na própria internet.

Welcome To My Blogger

terça-feira, 12 de dezembro de 2017

"Somos Físicos" A Cidade de Alexandre, O Grande (Arqueologia)

Resultado de imagem para encontrada a cidade de alexandre o grande
O lugar, localizado no Iraque, estava perdido há mais de 2 mil anos e foi descoberto com a ajuda de drones.
 (Foto: Museu Britânico)
(FOTO: MUSEU BRITÂNICO)

Uma cidade antiga que se acredita ter sido fundada na era de Alexandre, o Grande, foi descoberta depois de ter sido perdida nas areias da história, há mais de dois mil anos.
Qalatga Darband, que tem vista para um rio na província de Sulaimaniya, no Curdistão iraquiano, carrega os traços de um antigo assentamento fortificado, e agora, os arqueólogos, finalmente, pisaram na área escondida.
Embora os investigadores não tenham ainda avançado com uma data adequada, pensa-se que o assentamento aconteceu depois de Alexandre, o Grande, ter entrado na batalha contra o rei persa Darius III, na antiga Mesopotâmia.
Derrubar impérios é uma tarefa difícil – e que dá bastante sede! – e Qalatga Darband – que se traduz, grosso modo, em curdo, como “castelo da passagem da montanha” – pode ter sido o lar de um comércio de vinho usado por soldados e comerciantes que trabalhavam no caminho da glória.
“Estamos nos primeiros dias, mas pensamos que seria uma cidade movimentada numa estrada do Iraque para o Irão”, diz o arqueólogo John MacGinnis, do Museu Britânico, em declarações ao jornal The Times. “Pode-se imaginar as pessoas a fornecer vinho aos soldados que passavam”, sugere.
MacGinnis e a sua equipa estão a cargo do Esquema de Formação de Gestão de Emergência do Património do Iraque, treinando investigadores iraquianos para identificar e resgatar tesouros arqueológicos insubstituíveis da ameaça de destruição do Estado islâmico.
Surpreendentemente, as descobertas de Qalatga Darband foram também corroídas pela guerra, embora numa era muito diferente de conflito humano.
Fotografias tiradas da região por satélites de espionagem dos EUA, na década de 1960, durante a Guerra Fria, no âmbito do programa Corona, foram retiradas do estado confidencial na década de 1990, o que ajudou os investigadores a identificarem o contorno dos restos antigos da cidade.
A guerra na região impediu os arqueólogos de olharem mais atentamente para o caso, até ao Século XXI, quando investigadores utilizaram drones para pesquisar a paisagem, identificando variações subtis no crescimento da colheita que agora cobre a cidade antiga.
“O drone produziu excelentes informações”, diz MacGinnis. “Analisar marcas de colheita é algo que não foi feito na arqueologia mesopotâmica. Onde há paredes subterrâneas, o trigo e a cevada não crescem tão bem, então há diferenças de cores no crescimento da safra”, acrescenta o investigador.
Até agora, as investigações no terreno revelaram os fundamentos de uma série de grandes edifícios no solo, incluindo uma parede fortificada e prensas de pedra que podem ter sido utilizadas na produção de vinho ou óleo.
Também foram descobertos azulejos e estátuas no sítio arqueológico, com figuras que representam a deusa grega Perséfone e o seu amado Adónis. Até agora, não está claro de quando estas relíquias datam exactamente, já que a pesquisa ainda está em andamento, mas a equipa acha que as descobertas podem ser do primeiro ou segundo Séculos antes de Cristo.
Uma moeda descoberta na cidade mostra o rei do império parta Orodes II, que governou entre 57 a.C. a 37 a.C., por isso é provável que a cidade ainda estivesse em uso muito tempo após a era de Alexandre, O Grande, e que possa ter sido fundada em grande parte depois do seu exército de guerra ter passado pela região.
Espera-se que a escavação continue até 2020, pelo que há boas possibilidades de descobrir muito mais sobre esta cidade perdida de outra era e resolver alguns dos seus extraordinários mistérios.Resultado de imagem para encontrada a cidade de alexandre o grande
“Pensamos que esse local teria sido uma cidade movimentada em uma estrada do Iraque para o Irã. Nela você pode imaginar a vida daqueles que forneciam vinho para os soldados que cruzavam o caminho", disse o historiador lider John MacGinnis, para o The Times.
No extremo sul do local, os arqueólogos encontraram um monte de pedras, sob a qual havia uma gigantesca estrutura semelhante a um templo.
Resultado de imagem para encontrada a cidade de alexandre o grande
Duas estátuas servem como evidência da cidade perdida de Alexandre O Grande, ou Alexandre, O Grande.
Uma estátua retrata uma figura feminina sentada. Supõe-se que seja Perséfone, a deusa grega da vegetação e esposa de Hades, deus do submundo.
A outra estátua é um nu que poderia ser Adônis, um símbolo divino da fertilidade.

Conheça duas imagens encontradas na cidade perdida de Alexandre O Grande
Estátua de Perséfone, a deusa grega da vegetação (à direita)  e ao lado uma Moeda de Orodes II.

Quem foi Alexandre, o Grande

Ganhou muitos nomes

Alexandre, o Grande ou Alexandre O Grande? O certo é que ele foi o maior comandante militar de todos os tempos. Venceu todas as batalhas. E foram muitas!
Muitos escrevem O Grande como sobrenome de Alexandre sem separar com a vírgula. Outros citam Alexandre, o Grande, separando por vírgula, formando um vocativo. Além disso, há muitas referências a ele como Alexandre Magno ou Alexandre III da Macedônia.
Ele nasceu em Pela, no ano de 356 a.C. Subiu ao trono com apenas vinte anos de idade.
Passou grande parte de sua vida em campanhas militares na Ásia e nordeste da África.
É incrível, mas aos trinta anos tinha um dos maiores impérios do mundo antigo.
Ao morrer com apenas 32 anos, esculpiu um império gigantesco que se estendia da Macedônia e Grécia, na Europa, até a Pérsia e Egito.

Juventude, primeiras batalhas

Segundo informações da Wikipédia, durante sua juventude, Alexandre foi orientado pelo filósofo Aristóteles até os 16 anos. Depois que Filipe foi assassinado em 336 a.C., Alexandre sucedeu seu pai ao trono e herdou um reino forte e um exército experiente.
Ele havia sido premiado com o generalato da Grécia e usou essa autoridade para lançar o projeto pan-helênico de seu pai liderando os gregos na conquista da Pérsia. Em 334 a.C., invadiu o Império Aquemênida, governando a Ásia Menor, e começou uma série de campanhas que durou dez anos.
Quebrou o poder da Pérsia em uma série de batalhas decisivas, mais notavelmente as batalhas de Isso e Gaugamela. Em seguida, derrubou o rei persa Dario III e conquistou a Pérsia em sua totalidade. Nesse ponto, seu império se estendia do mar Adriático ao rio Indo.

Sonho de alcançar “os confins do mundo e o Mar Exterior”

Buscando alcançar os “confins do mundo e do Grande Mar Exterior”, invadiu a Índia em 326 a.C., mas foi forçado a voltar pela demanda de suas tropas. Alexandre morreu na Babilônia em 323 a.C., a cidade que planejava se estabelecer como sua capital, sem executar uma série de campanhas planejadas que teria começado com uma invasão da Arábia.
Nos anos seguintes a sua morte, uma série de guerras civis rasgou seu império em pedaços, resultando em vários estados governados pelos diádocos, sobreviventes e herdeiros generais de Alexandre.
Seu legado inclui a difusão cultural que suas conquistas geraram, como o greco-budismo. Fundou cerca de vinte cidades que levavam o seu nome, principalmente Alexandria, no Egito. Seus assentamentos de colonos gregos e a propagação resultante da cultura grega no leste resultou em uma nova civilização helenística, aspectos que ainda eram evidentes nas tradições do Império Bizantino em meados do século XV e a presença de oradores gregos na região central e noroeste da Anatólia até a década de 1920.
Alexandre se tornou lendário como um herói clássico no molde de Aquiles, e ele aparece com destaque na história e mito grego e culturas não-gregas. Tornou-se a medida contra a qual os líderes militares se compararam, e academias militares em todo o mundo ainda ensinam suas táticas. É muitas vezes classificado entre as pessoas mais influentes do mundo em todos os tempos, junto com seu professor Aristóteles.

A sucessão

Relatos históricos do período romano citam que Alexandre morreu, deixando seu reino ‘para o mais forte’ ou ‘mais digno’ de seus generais.
Há, no entanto, outra versão, segundo a qual ele se encontrava em coma antes de morrer e não mencionou nenhum plano para sua sucessão.

A mensagem


Bucéfalo, na Batalha de Isso, imagem relacionada a cidade perdida de Alexandre O Grande
Alexandre Magno e seu cavalo Bucéfalo, na Batalha de Isso. Mosaico encontrado em Pompeia, hoje no Museu Arqueológico Nacional, em Nápoles.(Wikipédia)

https://zap.aeiou.pt/finalmente-encontrada-cidade-perdida-alexandre-grande-175103

"Somos Físicos" Os Pergaminhos do Mar Morto (Arqueologia)

Região de Qumran, no deserto da Judéia
© iStockphoto.com /Gosiek-B
Região de Qumran, no deserto da Judéia,
onde foram encontrados os Manuscritos do Mar Morto

O Rolo de Isaías exposto no Museu do Livro

Muitos anos depois de terem sido descobertos, e milhares de anos depois de terem sido escritos, os Manuscritos do Mar Morto já estão disponíveis online, através de uma colaboração entre a Google e a Autoridade de Antiguidades de Israel. No total, são mais de cinco mil os documentos e imagens disponíveis em alta resolução desde esta terça-feira, à distância de um clique.
Imagem relacionada

Qumran.O Verdadeiro Tesouro dos Manuscritos do Mar Morto

A descoberta dos Manuscritos do Mar Morto confirma aquilo que as pessoas que crêem na Bíblia sempre souberam, ou seja, que a Bíblia, tal qual a temos na 
atualidade, é um texto que passa nos testes de fidedignidade. Na foto: as cavernas de Qumran

Vasos encontrados em Qumran.

Qumran
Resultado de imagem para Qumran
Qumran
Os Pergaminhos do Mar Morto têm sido justamente chamados de descoberta manuscrita mais importante do século XX. Em 1946, os pastores beduinos estavam pastando seus rebanhos perto de um lugar chamado Wadi Qumran. (Wadi é a palavra árabe para "cama de rio seco"). Um desses pastores, chamado Jum'a Muhammad Khalil, jogou uma pedra em uma caverna que mais tarde foi chamada Cave 1. Tendo ouvido o som da cerâmica quebrando, ele fugiu com medo. 

Outro pastor voltou para a caverna mais tarde e descobriu que a caverna continha vários frascos, um dos quais estava cheio de pergaminhos antigos. Não era claro para os pastores beduinos naquela época que esses pergaminhos eram antigos pergaminhos judeus, escritos em hebraico, datando pelo menos um milênio antes da cópia mais antiga da Bíblia Judaica.
Um desses pergaminhos era uma cópia do livro bíblico de Isaías. Os outros dois pergaminhos não eram textos previamente conhecidos: uma cópia da Regra da Comunidade dos Rolos (a Regra Comunitária, também conhecida como Manual de Disciplina) e um comentário sobre o livro profético bíblico de Habacuque.

Uma vez que ficou claro para os estudiosos quais eram os pergaminhos, uma equipe de arqueólogos partiu para explorar outras cavernas na área para ver se eles podiam localizar mais pergaminhos ocultos. Um total de 11 cavernas perto de Wadi Qumran foram identificadas, produzindo mais de 900 manuscritos de diferentes condições, muitos extremamente fragmentários. 

Os estudiosos dataram esses textos para aproximadamente 250 aC a 100 ce, comparando a caligrafia nestes pergaminhos com outros estilos conhecidos de caligrafia antiga. O estudo dos estilos de escrita e seu namoro relativo é chamado de paleografia. Essas datas foram consistentes com as datas alcançadas por outros meios, como o namoro de carbono 14.
Resultado de imagem para Qumran
Dead Sea Scrolls: From caves of Qumran to Google's 'cloud'
A maior quantidade de pergaminhos (e os mais fragmentados de todos) vem da Caverna 4. Esta caverna é claramente visível das antigas ruínas de um assentamento conhecido pelos arqueólogos já em 1850. É referido hoje pelo seu moderno Nome árabe, Khirbet Qumran. Os estudiosos acreditam que foi destruído durante a ocupação romana de Israel em algum momento do primeiro século ce. 

Várias teorias acadêmicas foram propostas quanto ao propósito original do site: uma villa romana (um tipo de casa de verão), uma fortaleza militar ou um assentamento sectário . Muitos acham a teoria do assentamento sectário como a identificação mais convincente das ruínas. Adjacente às ruínas estão os restos de um cemitério.
Imagem relacionada
Uma questão importante para os estudiosos é a relação entre as cavernas e as ruínas de Qumran. No início, as cavernas próximas não podiam ser identificadas com certeza com o assentamento porque existiam poucas evidências materiais para unir as duas. 

Enquanto os pergaminhos e a liquidação são datados aproximadamente no mesmo período de tempo, não foram encontrados desfiles na liquidação. A evidência material mais forte que liga os pergaminhos ao assentamento é a cerâmica. A cerâmica que continha esses manuscritos nas cavernas corresponde à cerâmica que foi encontrada no assentamento.
Resultado de imagem para pergaminhos de Qumran

Outro vínculo entre os pergaminhos e o assentamento é o seu forte interesse em preocupações de pureza. As referências à pureza e o uso ritual da água nos Pergaminhos do Mar Morto correspondem ao grande número de reservatórios de gesso encontrados ao longo do assentamento. 

Alguns estudiosos, no entanto, desejam manter aberta a possibilidade de que a proximidade entre as cavernas e as ruínas do assentamento fosse inteiramente acidental. Tais estudiosos mantêm a visão de que a biblioteca encontrada nas cavernas de Qumran foi trazida por pessoas que fugiam de Jerusalém e escondidas lá para serem guardadas.
Resultado de imagem para pergaminhos de Qumran
Os Pergaminhos do Mar Morto continham uma grande variedade de escritos e fornecem um vislumbre raro das escrituras judaicas antes da destruição do Templo em Jerusalém em 70. Um número significativo de textos foram identificados como livros bíblicos das escrituras hebraicas judaicas. 

O livro mais popular é Salmos, com 36 cópias, Deuteronômio é o segundo com 29 cópias, e Isaías é o terceiro com 21 cópias. Quase todos os livros da Bíblia foram identificados entre os pergaminhos e os fragmentos pelo menos uma vez com a exceção do livro de Esther. É possível que a Comunidade dos Rolos não tenha conservado o livro de Esther.

Outra categoria de escritos bem representados entre os pergaminhos é a Pseudepigrapha e a Apocrypha. Embora esses escritos não tenham sido considerados textos escriturais, eles teriam sido conhecidos e lidos por muitos grupos judaicos diferentes durante esse período. 
Imagem relacionada
Os pergaminhos também renderam vários escritos sectários (manuscritos de textos que pareciam ser únicos para a seita do judaísmo responsável pela biblioteca de Qumran). Estes textos incluem textos legais, como o Deslocamento do Templo (11QT) e algumas obras da lei (4TMMT); textos especializados, como a Regra Comunitária (1QS) mencionada anteriormente, o Rolo de Guerra (1QM) e o Pesharim (comentários sobre vários textos proféticos bíblicos); e o Rolo dos Hinos de Ação de Graças (1QH). Os estudiosos conheciam um texto deste grupo de escritos sectários anteriormente como o Documento de Damasco.

Este texto interessante foi descoberto pela primeira vez em 1896 por Solomon Schechter, da Universidade de Cambridge, que encontrou cópias deste texto de um repositório de textos sagrados não originais no Cairo, no Egito. Com a ajuda da fotografia ultravioleta e infravermelha, os estudiosos podem ler fragmentos de rolagem que são extremamente danificados e inescrutáveis ​​a olho nu. 

Embora existam outras teorias, muitos estudiosos estão convencidos de que os Pergaminhos do Mar Morto e a comunidade em Qumran devem ser identificados com uma seita judaica que já desapareceu desde há muito tempo conhecida como Essênios. Os Pergaminhos do Mar Morto abriram uma janela em um tempo e lugar que mais tarde viria a surgir duas grandes religiões do mundo, o judaísmo rabínico e o cristianismo.

Embora a Comunidade dos Rolos provavelmente não seja o precursor de qualquer um desses grupos, os próprios pergaminhos contribuem de forma importante para a compreensão geral do contexto do qual esses outros movimentos religiosos surgiram.
Milhoes de pessoas já visitaram o site que apresenta imagens em alta resolução dos Manuscritos do Mar Morto. Mais de dois mil anos depois de serem escritos e escondidos numa caverna no deserto, os famosos pergaminhos estão, mais do que nunca, à disposição da Humanidade. Desde segunda-feira passada, os textos - descobertos por um pastor beduíno em 1947 em Qumran, no deserto da Judéia - estão online, de graça e com tradução para inglês. 

O projeto "Manuscritos do Mar Morto Online", do Museu de Israel em cooperação com a ferramenta de busca Google, a um custo de US$ 3,5 milhões (cerca de R$ 6,5 milhões), começou com a divulgação pela internet de cinco dos principais manuscritos. Através de tecnologia de alta resolução - com a qual os autores dos documentos jamais sonhariam -, os internautas de hoje podem visualizar os livros e lê-los, versículo a versículo, no site http://dss.collections.imj.org.il . 
Se, a olho nu, os visitantes do museu não conseguem destinguir detalhes nos documentos expostos, na internet é possível ampliá-los a ponto de identificar os erros e correções dos escribas. A resolução de 1,2 mil megapixels é 200 vezes maior do que a de uma câmera fotográfica comum. O leitor pode, inclusive, deixar comentários em relação aos trechos lidos. 
Os Manuscritos do Mar Morto consistem num conjunto de mais de 30 mil fragmentos que formam 972 textos religiosos escritos em hebraico, aramaico e grego. Entre os textos, estão a mais antiga versão do Velho Testamento, além de livros denominados de "apócrifos" - que não entratam na compilação original da Bíblia. Os livros mais antigos são do século III A.C. e o mais "recente", de 70 D.C, ano em que o Segundo Templo de Salomão, em Jerusalém, foi destruído pelos romanos. Justamente por causa da perseguição romana é que os donos dos documentos os esconderam dentro de ânforas em 11 cavernas às margens Norte do Mar Morto. 

Eles revelam detalhes do desenvolvimento das principais religiões monoteístas durante o período helenístico, além do relacionamento entre as diversas facções de judeus - incluindo os primeiros a seguirem tradições cristãs. 

- A missão do Google é organizar a informação do mundo e transmormá-la em algo acessível e útil. Não se pode pensar num conteúdo e informação mais importante do que esse, relacionado à herança cultural e religiosa de tantas pessoas no mundo - afirma o Yossi Matias, diretor de Desenvolvimento e Pesquisa da filial israelense do Google. - O incrível é pegar uma história dois mil anos atrás e colocá-la a um clique de distância de quem quiser. 

O projeto prevê a digitalização de mais pergaminhos e sua tradução para outras línguas, como francês, espanhol, árabe e chinês. 
Leia mais sobre esse assunto em O Globo e na Revista Veja
Resultado de imagem para Qumran
Imagem relacionadaImagem relacionada

sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

"Somos Físicos" Evidências Científicas Sobre a Bíblia ( Arqueologia)

Segundo estudantes, a arca de Noé teria capacidade para suportar até 51 milhões de quilos (Foto: Divulgação)1- A física da Arca de Noé
Tem quem não acredite em nada que está escrito na Bíblia, há quem acredite cegamente no que ela diz... Independente de vínculos religiosos, cada vez mais evidências históricas e científicas são trazidas à tona. Confira cinco delas:Quatro alunos de física da Universidade de Leicester, na Inglaterra, decidiram investigar a possibilidade de a arca de Noé flutuar enquanto carregava um par de cada espécie animal. Para isso, no ano de 2014, os estudantes começaram a analisar de acordo com a física o passo a passo das instruções encontradas na Bíblia.
Primeiramente, o grupo converteu os cúbitos, medida utilizada na Bíblia, em centímetros, determinando que um do primeiro correspondia a 48 do segundo. Seguindo esse raciocínio, a arca teria 145 metros de comprimento, 24 metros de largura e 14 metros de altura.
Noé foi instruído a construir a arca com a “madeira de gofer” cuja densidade é parecida com a do cipreste, que foi utilizada pelos estudantes para realizar os cálculos. Com isso, eles descobriram que a arca vazia teria um peso de 1,2 milhão de quilos. Para flutuar, a densidade da embarcação teria que ser menor do que a da água.
Com base nessas pesquisas, os estudantes concluiram que a arca poderia carregar 51 milhões de quilos, ou seja, ela poderia ter carregado um casal de cada espécie animal existente na época de Noé.
2 - A pedra de Pôncio Pilatos
A pedra de Pôncio Pilatos atualmente se encontra no Museu de Israel  (Foto: Wikimedia/BRBurton)
Enquanto escavava, em 1961, um teatro construído por Herodes, o Grandes, em Cesareia, em Israel, uma equipe de arqueólogos descobriu uma pedra. Ela possuia uma inscrição na lateral com os dizeres: “Pôncio Pilatos, prefeito da Judeia, a dedica”. Essa foi a primeira evidência física da existência do personagem bíblico.
3 - O Reservatório de Siloé
Representação do reservatório, localizado na Cidade de Davi (Foto: Wikimedia/Yoav Dothan)
No livro de João na Bíblia, após curar um cego de nascença, Jesus lava os olhos deste com as águas do Reservatório de Siloé. A comunidade acadêmica acreditava que João não estava fazendo uma referência a um local de verdade, e sim usando um conceito religioso para ilustrar a passagem. No entanto, em 2005, um grupo de encanadores encontrou a reserva de água na Cidade Velha de Jerusalém. “Encontramos o Reservatório de Siloé exatamente onde João disse que ele estava”, afirma James Charlesworth, especialista no Novo Testamento.
4 - A parede do rei Salomão
Segundo o primeiro livro dos reis, no Antigo Testamento, há o relato de que o rei Salomão ordenou a construção de uma muralha em Jerusalém. Em 2010, uma parte da construção foi encontrada durante uma escavação conduzida pela Universidade Hebraica de Jerusalém. A muralha possuia 70 metros de comprimento e 6 metros de altura e, além dela, foram escavadas uma guarita de segurança e uma torre.
5 - Cidadela da Primavera
Ilustração mostra Fonte de Giom (Foto: Wikimedia)
Após 20 anos escavando a Cidade de Davi, principal sítio arqueológico de Jerusalém, foi descoberta a fortaleza “Cidadela da Primavera”. “A cidadela foi construída para salvar e proteger a água da Fonte do Giom dos inimigos que queriam conquistar as cidades, bem como proteger as pessoas que queriam beber água e voltar para a cidade”, afirma Oriya Dasberg, diretor de desenvolvimento da Cidade de Davi.
Os arqueólogos acreditam que essa é a mesma estrutura conquistada pelo rei Davi em passagem de Samuel e o mesmo local onde Salomão foi ungido rei.