Welcome To My Blogger
O Blogger "Somos Físicos" aborda assuntos diversos relacionados a Ciência, Cultura e lazer.Todas as postagens são pesquisas coletadas na internet.

Welcome To My Blogger

domingo, 17 de janeiro de 2016

Vidas Alternativas

Esse desapego e vontade de viver somente com o que precisa não é algo que a humanidade conheceu hoje. O psicólogo, psicanalista e doutor em filosofia pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) Carlos Roberto Drawin destaca que esse comportamento é antigo e vem desde antes do cristianismo. “Vem de uma sabedoria grega. Não é só no sentido de não ter bens materiais, mas não transformá-los em uma tirania.” Ele conta que existia uma corrente da filosofia grega, o chamado estoicismo, que mostrava que o homem só atinge a felicidade se ele for livre, ao se livrar das dependências dos bens materiais. “Isso foi seguido tanto por um escravo quanto pelo imperador.” 
 
 Christopher McCandless, o homem que inspirou o filme 'Into the Wild' ( Na natureza Selvagem).

Christopher McCandless tinha um futuro promissor: licenciado na Universidade de Emory, vinha de boas famílias e preparava-se para seguir Direito. Aos 22 anos, parecia ter o mundo nas mãos. 



Mas não era este “mundo” que ele queria. Farto de uma sociedade cada vez mais materialista, Chris largou tudo e partiu sozinho para as regiões selvagens do Alasca. Sobreviveu durante 112 dias, até acabar por morrer à fome no dia 18 de Agosto de 1992.





Nascido em Nova Iorque, Timothy Treadwell estudou no colégio Connetquot. Era um aluno mediano: não tinha nem notas muito boas nem muito más. 
Quando entrou na adolescência, envolveu-se com o álcool e as drogas, alegadamente depois de perder um papel na série de sucesso ‘Cheers – Aquele Bar’ para Woody Harrelson.

Depois de quase falecer com uma overdose de heroína nos anos 80, Treadwell foi encorajado por um amigo a ir para o Alasca observar os ursos. Foi amor à primeira vista: mais tarde, o jovem admitiu que foi o relacionamento com os animais que o libertou das drogas.

Em 1990, partiu com a namorada Amie Huguenard, para o Parque Nacional Katmai, no Alasca. Durante 13 Verões, o casal viveu totalmente isolado com os ursos. No último dia no acampamento, porém, um problema inesperado obrigou-os a prolongar a sua estadia. Acabaram por ser mortos e parcialmente devorados por um (possivelmente dois) urso-pardo pouco tempo depois. 


 Nick Fahey vive há 16 anos em uma ilha no arquipélago de San Juan, ao norte de Puget Sound, no Estado de Washington, onde sua única companhia é um cavalo quarto de milha de 26 anos.
Fahey, de 67, mora em uma cabana construída no terreno de cerca de 400 mil m² de floresta que pertence a sua família desde 1930. Ele não tem geladeira, mas conta com a energia elétrica gerada por painéis solares, assim, pode carregar seu celular.



Nick Fahey vive há 16 anos em uma ilha no arquipélago de San Juan, ao norte de Puget Sound, no Estado de Washington, onde sua única companhia é um cavalo quarto de milha de 26 anos.

Fahey, de 67, mora em uma cabana construída no terreno de cerca de 400 mil m² de floresta que pertence a sua família desde 1930. Ele não tem geladeira, mas conta com a energia elétrica gerada por painéis solares, assim, pode carregar seu celular.

Há pouco conforto material, mas ele é dono de seus dias. "O tempo é um dos luxos de se morar aqui", afirma. Com exceção de cortar madeira para queimar e de cuidar da própria sobrevivência – ocasionalmente faz uma viagem até as ilhas vizinhas ou ao continente para vender a madeira ou comprar gêneros alimentícios –, está livre para fazer o que quer.



Em geral, passa os dias perambulando pela ilha rochosa e tomando café com chicória. "Não me preocupo com o que visto ou deixo de vestir."



Fahey se mudou para a ilha em 1994, anos depois de ter se divorciado. Sua filha Anna, de 36 anos, vai visitá-lo uma vez por mês, e seu filho, Joe, de 39, que mora na França, vai para lá todos os anos.

Há uns poucos habitantes do outro lado da ilha, mas Fahey prefere não ter contato com eles. Uma vez por semana vai até Anacortes, a 18 quilômetros de distância de barco, para visitar o pai, de 99 anos, que está em um asilo, e para ver a namorada, Deborah Martin, de 56, com quem tem um relacionamento há 15. "Somos independentes, e acho que é por isso que funciona, em parte", diz ela.

Roger Lextrait:



Para Roger Lextrait, viver em isolamento parece atraente, depois de uma vida agitada como dono de restaurante em Portland, Oregon.

Lextrait foi o único habitante do atol de Palmyra, em um arquipélago no norte do Pacífico a mais de 1.600 km ao sul do Havaí, de 1992 a 2000.


Ele foi parar lá com 40 e poucos anos, depois de cerca de 12 velejando ao redor do mundo, depois de um divórcio e da venda de dois restaurantes. A experiência deveria durar alguns meses, mas Lextrait ficou oito anos.

Parte da atração foi que "o tempo não importava -às vezes eu perdia a conta do ano", ele disse. "Era muito mágico."



Ele decidiu partir quando "foi atacado pela solidão". Voltou do isolamento e achou o mundo um lugar diferente. "Eu não tinha ideia de que o telefone celular existia, fiquei perdido."


Edward Griffith-Jones:



Edward Griffith-Jones, um britânico de 27 anos, passou o último ano vivendo em uma cabana que ele construiu em um parque nacional na Suécia.

Foi sua maneira de ser ambientalmente responsável, disse.

"É um momento muito interessante para encontrar outro modo de vida. As pessoas usam muito a palavra 'sustentável', especialmente quando fazem negócios, e ela não significa nada."

Em suas raras viagens à cidade, ele procurava alimentos não estragados nas latas de lixo. "Vivemos em um mundo onde tudo é muito especializado.

Cabana construída por Edward Griffith-Jones no parque nacional da Suecia


Hoje as pessoas não sabem fazer nada, não sabem sobreviver", disse, falando de um telefone celular na floresta. "Eu não sou completamente autossuficiente, mas estou aprendendo."

David Glasheen:



David Glasheen, comparou sua experiência de viver sozinho a "ir à Lua".

"Tudo o que você já aprendeu não significa nada até você chegar a um lugar como este", disse Glasheen, que vive na ilha Restoration, diante do litoral norte da Austrália, com seu cachorro. Ele está lá desde 1993.

O que, na verdade, o levou a fazer esta escolha, optar por este modo de vida, foram as decepções: o fim de um casamento e perda de sua fortuna com o crash da bolsa de Nova York em 1987.

Esses dois fatores foram o que bastaram para o empresário de Sidney abandonasse o meio corporativo e se voltasse para a vida em que o simples lhe bastava.



O ex-milionário não quer nem pensar em voltar para a casa, aliás, sua casa já é ali mesmo, na ilha deserta na costa noroeste da Austrália, desde 1993, quando decidiu se mudar definitivamente para lá.


Para garantir a sua sobrevivência, David Glasheen, vive da pesca de peixes e caranguejos, e da coleta de bananas, cocos e frutas nativas. Ele também cultiva seus vegetais. David revelou que se considera o cara mais sortudo do mundo. Disso ninguém duvida.



Mas engana-se quem pensa que o jovem senhor que irá completar neste ano de 2014 apenas 69 aninhos, abandonou totalmente os hábitos que tinha no continente. O que lhe dá prazer ele ainda continua tendo como hábito, o que é o caso da cervejinha que ele não dispensa.

O diferencial é que não é mais preciso ir ao supermercado para buscar uma, basta, no momento em que sentir sede, ir à cozinha e preparar uma “loira gelada” ao seu gosto. E para não passar os dias em total solidão, David não dispensa a companhia de seu fiel companheiro, o cachorro Quase.

ESFORÇO


Professor do curso de ciências sociais da Pontifícia Universidade Católica (PUC Minas), Ricardo Ferreira Ribeiro diz que hoje as pessoas fazem um esforço danado para ter renda e, por outro lado, geram um estresse, acúmulo de trabalho e problemas de saúde. “A opção pela vida simples tem sido mais singela, há menos requinte, mas exige menos esforços.” Ele lembra que os hippies chegaram a optar por esse modo de vida, como crítica ao consumismo.
 “Esse modo de viver aproxima mais as pessoas, cria-se uma empatia.”

Para o frei Jonas Nogueira da Costa, de 37, viver com pouco se aprende ao estar perto daqueles que têm poucas condições financeiras. De família simples e católica, ele sempre participou das atividades da igreja de Três Rios, sua cidade natal, no interior do Rio de Janeiro, o que despertou sua vontade de ser padre. Em 1995, entrou para a Ordem dos Frades Menores, motivado pelo exemplo de São Francisco de Assis, que dedicou a vida à simplicidade e aos pobres. “A proposta de simplicidade, de viver como irmão e ter uma vida de oração são pilares que me encantaram”, diz. A simplicidade para Jonas é entendida como partilha. “Você não pode chegar a Deus com títulos acadêmicos, roupas e outros. Deus é simples.”

O frei conta que a principal mudança que sentiu na sua opção devida foi no conceito de posse. “As coisas que eram da minha família pertenciam a eles e a mim. Hoje, tenho o conceito do nosso.” Suas posses, segundo ele, são os livros. Não se importa com roupas e compra só o necessário. “A simplicidade tem o campo prático e político. No primeiro, é o contato com as pessoas mais simples e afetos com as plantas e animais. No segundo, é a denúncia do consumismo que gera frustrações.”

Ele ensina que a vida simples permite o contato consigo mesmo. “Nos obriga a olhar para nós mesmos e ao nos depararmos com o ser humano que somos nos libertamos das grandes tentações do consumismo.” O grande ganho para o frei é a felicidade como comunhão, prazer nas pequenas coisas , estar bem consigo mesmo. “Temos que fazer o que gostamos. A minha opção me faz bem, humano e feliz.”

Para o frei, quem segue a vida baseada na simplicidade, independentemente da religião, tem que aprender a escutar os pobres materialmente e socialmente. “Eles são os nossos mestres. Há muita coisa que dissemos que são fundamentais para nós, e vemos que outras pessoas conseguem viver sem aquilo. Às vezes temos tudo e não abrimos mão de nada, e esse pobre consegue sorrir e falar de Deus. Por trás disso, há uma sabedoria. Não há uma receita pronta para essa vida simples. Cada um tem que fazer a própria síntese”, aconselha.

Estilo de vidas


Existe um movimento chamado simplicidade voluntária, que é um estilo de vida no qual os indivíduos conscientemente escolhem minimizar a preocupação com o “quanto mais melhor”, em termos de riqueza e consumo. Seus adeptos escolhem uma vida simples por diferentes razões, que podem estar ligadas a espiritualidade, saúde, qualidade de vida e do tempo passado com família e amigos, redução do estresse, preservação do meio ambiente, justiça social ou anticonsumismo. Algumas pessoas agem conscientemente para reduzir as suas necessidades de comprar serviços e bens, e, por extensão, reduzir também a necessidade de vender o seu tempo. Alguns usarão as horas a mais para ajudar os seus familiares ou a sociedade, ou sendo voluntário em alguma atividade.

Compra consciente


Mudar os hábitos de consumo e só adquirir produtos de que realmente precisa é uma opção de vida de quem busca ser mais saudável

Não é preciso sair da capital ou se dedicar integralmente ao sacerdócio para ter uma vida simples. Essa opção de vida, apesar de a luta ser ainda maior, é bem possível na cidade grande, mesmo com as tentações do consumo e seus exageros bem próximos. A simplicidade, muitas vezes, está na essência da alma e em atitudes conscientes, e não é preciso radicalismo para chegar até ela. O professor do curso de ciências sociais da Pontifícia Universidade Católica (PUC Minas) Ricardo Ferreira Ribeiro diz que essa opção de vida pode ser uma certa crítica aos valores ligados à ostentação e ao padrão de vida de pessoas que não conseguem abrir mão dos bens materiais. “A gente acaba consumindo muitas coisas, para quê? Qual a finalidade desse bem que se adquire?”, provoca.

Foram essas as perguntas que motivaram a psicóloga Marina Paula Silva Viana, de 28 anos, a enfrentar um desafio: um ano sem compras. De junho de 2011 até junho de 2012, ela não comprou nada de supérfluo e criou um blog na internet relatando sua experiência durante esse período. A página levou o nome do desafio, Um Ano sem Compras. Mineira de Belo Horizonte, a jovem mora desde 2008 em Curitiba e achava que a proposta seria difícil. “O mais complicado é conter o primeiro impulso. Mas vi que isso é bem possível.” O dinheiro que usava para comprar roupas, bolsas, calçados e cosméticos foi gasto em lazer. “Sempre gostei dessa opção de vida, e queria fazer essa experiência. Você percebe que tem outras prioridades na vida. Passei a fazer mais programas ao ar livre, a aproveitar atividades intelectualizadas. Quando estamos imersos no consumo, deixamos o que nos dá prazer em segundo plano. Passada essa experiência, hoje compro bem menos e me foquei no que é essencial para mim.”

Como psicóloga, Marina conta que muitos pacientes trazem para o consultório frustrações vindas do consumo. “As pessoas estão consumindo mais. E isso acaba tendo uma função psicológica. Ela acabam acreditando que a personalidade está ligada ao que consomem.” Formada em teatro, produtora do curso de educação gaia em BH e estudante de letras na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), Priscila Maria Caliziorne Cruz, de 23, diz que a vida simples vem dos pilares que recebeu em casa e das suas buscas e anseios. “São escolhas diárias. Encontrei em BH, no meio urbano, uma alternativa mais simples para viver.”

Ela conta que o segredo dessa opção está na consciência do que se busca. “Sabemos que ter um telefone é importante para atender a necessidade. Mas nem sempre essa necessidade por um produto acompanha moda e o que está no mercado.” Há 10 anos, a jovem não entra em shopping, pois, segundo ela, é um ambiente que a incomoda, principalmente pelo objetivo daqueles que estão ali e os tipos de relações estabelecidas. “Participo de um encontro anual de trocas de roupas. Para a minha alimentação, participo de redes de agricultura urbana, que são alimentos produzidos na cidade. Compramos diretamente dos produtores, sai mais barato e não acumula tanto valores.”

A maior preocupação de Priscila é com o meio ambiente. Ela procura ter atitudes sustentáveis, como reciclagem de lixo, usar carona ou transporte público. “Essa opção de vida me faz sentir em harmonia comigo mesma. Quando fiz essa escolha, é como se tivesse responsabilidade com as pessoas ao meu redor.” Ela diz que o encontro com esse modo de vida foi motivado por uma busca de vida saudável, da saúde do corpo e da mente . “Nunca fiz escolhas motivada pelo financeiro.”

BENS MATERIAIS


Por mais que as quatro filhas insistam, Maria Madalena Aguiar, de 66 anos, fica bons anos sem comprar roupas. Prefere consertar as que tem e não se importa com a idade delas. Um vestido e um tamanco já estão de bom tamanho. Mesmo morando na capital, a essência, adquirida na infância, na roça e durante os três anos que morou em um convento em São Paulo, ela mantém intacta e com orgulho. Diz já ter conhecido muitas pessoas que ostentam bens materiais. “É de dar dó”, comenta.

Certo dia, uma de suas filhas a chamou para sair. Ela logo pegou a bolsa de pano e disse estar pronta para acompanhá-la. A filha sugeriu que mudasse de roupa. “Você quer o que visto ou a minha companhia?”, respondeu Madalena. Apaixonada pelas poesias que cria, ela conta que prefere andar de ônibus ou a pé a ir de carro. “Temos pernas é para andar.” Compras com ela, só o essencial. O seu lazer é mexer na terra, com as plantas e aprender com elas. “A vida simples é uma sabedoria”, avisa. Para ela, ajudar o outro a ter um coração bom são as grandes riquezas do ser humano.

Madalena conta a lenda que lhe serve de inspiração. “Uma vez, um turista viajou para conhecer um grande sábio. Quando chegou, disse a ele que queria conhecer seus móveis. O sábio, muito tranquilo, mostrou que só tinha uma cama e uma cadeira e o convidou a entrar. O homem não aceitou, disse estar só de passagem. O sábio respondeu: ‘Eu também’.” Para essa senhora, a história aponta o que devemos pensar antes dos bens materiais serem nossos donos. “Caixão não tem gaveta. Estamos aqui só de passagem.” (LE)

Viver com o essencial


Este mês, o New York Times publicou um artigo sobre a vida de Graham Hill, que vive em um estúdio de 420 pés. Ele tem seis camisas, 10 tigelas rasas que usa para saladas e pratos principais. Não tem um único CD ou DVD. Era rico, tinha uma casa gigantesca e cheia de coisas – eletrônicos , carros e eletrodomésticos. “De uma certa forma, essas coisas acabaram me consumindo”, disse na entrevista. Em 1998, em Seattle, vendeu sua empresa de consultoria de internet, Sitewerks, por muito dinheiro e passou a comprar muito. Entre as compras, um Volvo preto turbinado. Mas tudo isso passou a incomodá-lo e a ficar sem graça. E ele decidiu viver somente com o essencial.
O fotógrafo francês Eric Valli realizou uma incrível série de fotografias que fazem parte de um projeto que exigiu alguns anos de sua vida. Off The Grid é composto por uma série de imagens de pessoas que decidiram viver em harmonia com a natureza, longe da moderna e predatória civilização.

O conceito do projeto, assim como a ideologia dos fotografados me lembra bastante o longa-metragem dramático Into The Wild, filme de 2007, dirigido por Sean Penn. Into The Wild é baseado no livro de Jon Krakauer, que retrata a verdadeira história de Cristopher McCandless, um jovem recém formado que busca experiências únicas em sua vida e abandona todo o materialismo cotidiano. Nesse excelente filme, o personagem influenciado por suas leituras que vão de Tolstoi a Thoreau, busca a comunhão com a pura e selvagem natureza para então atingir a almejada liberdade. Vale também destacar aqui a sensacional trilha de Eddie Vedder, que complementa a hipnotização visual e sonora que é esse filme.

Voltando ao Off the Grid, Eric Valli encontrou esses “Supertramps” que optaram por viver em lugares remotos, pessoas que não querem mais fazer parte dos problemas que a sociedade cria e não resolve. Então o aventureiro fotógrafo passou alguns anos seguindo quatro deles, buscando a harmonia natural nos mais deslocados cantos dos Estados Unidos da América. Confira abaixo a série de imagens das triunfantes pessoas que abandonaram os centros sociais e foram viver em meio a natureza.

Off The Grid






















http://www.pragmatismopolitico.com.br/2013/04/homens-e-mulheres-que-optaram-por-uma-vida-simples.htmlhttp://www.publistorm.com/off-the-grid-a-vida-longe-da-sociedade/

Um comentário:

AGRADEÇO SUA VISITA.
VOLTE SEMPRE.