Welcome To My Blogger
O Blogger "Somos Físicos" aborda assuntos diversos relacionados a Ciência, Cultura e lazer.Todas as postagens são pesquisas e coletadas na internet.

Welcome To My Blogger

sábado, 22 de fevereiro de 2014

INTELIGÊNCIA ARTIFICIAL

Mãos biônicas e robôs que ajudam nas tarefas domésticas fazem parte de um futuro que já saíram do cenário de ficção científica. Alguns dos produtos eletrônicos que estão disponíveis no mercado mundial tinham sido imaginados há anos sob a projeção de uma obra cinematográfica. Agora, estão mais próximos de você. Confira três inovações que viraram realidade:
Dois dos vilões mais famosos do cinema – Darth Vader, de Guerra nas Estrelas, e o exterminador, de O Exterminador do Futuro – não tinham mãos humanas. Foram apresentados ao mundo em 1977 e em 1985, respectivamente, bem antes de uma mão biônica completamente articulada chegar ao mercado. Mas isso não os impediu de manusear armas com precisão. Atualmente, a i-LIMB Pulse, da Touch Bionics, permite que pessoas reais também possam manipular objetos com cinco dedos mecânicos.
No filme Minority Report, o personagem de Tom Cruise usou um computador sem mouse ou teclado para investigar um assassinato. Era capaz de dar comandos e manejar arquivos apenas fazendo gestos com as mãos. É assim que faz o pesquisador Pranav Mistry, inventor do SixthSense (Sexto Sentido, em português), um aparelho que, por meio de gestos, permite a interação entre o mundo real as informações on-line. Os programas que Pranav Mistry criou serão distribuídos de modo que qualquer fabricante possa lançar um aparelho.
O filme Inteligência Artificial mostrou um futuro em que robôs humanoides eram fabricados para desempenhar funções específicas, conforme a demanda dos humanos. O personagem de Jude Law, por exemplo, era um robô prostituto. Já a HRP-4C, que tem 1m58 de altura e pesa 43 kg (incluindo bateria), é uma cantora. Ela possui uma função de reconhecimento de voz e é capaz de interagir com pessoas. A robô foi demonstrada publicamente em Tóquio no ano passado e ainda não tem previsão para chegar no Brasil.
Isaac Asimov (2 de janeiro de 1920 — Nova Iorque, 6 de abril de 1992), foi um escritor e bioquímico 
americano, nascido na Rússia, autor de obras de ficção científica e divulgação científica.

A obra mais famosa de Asimov é a série da Fundação, também conhecida como Trilogia da Fundação, que faz parte da série do Império Galáctico e que logo combinou com sua outra grande série dos Robots.

Asimov foi reconhecido como mestre do género da ficção científica e, junto com Robert A. Heinlein e Arthur C. Clarke, foi considerado em vida como um dos "Três Grandes" escritores da ficção científica.

Em 1981, um asteroide recebeu seu nome em sua homenagem, o 5020 Asimov. O robô humanóide "ASIMO" da Honda, também pode ser considerada uma homenagem indireta a Asimov, pois o nome do robô significa, em inglês, Advanced Step in Innovative Mobility, além de também significar, em japonês, "também com pernas" (ashi mo), num trocadilho linguístico em relação à propriedade inovadora de movimentação deste robô.
 Robô humanoide Asimo, da Honda
Robô criado em homenagem a Isaac Asimov

Robôs humanóides já são uma realidade
O especialista em robôs Hiroshi Ishiguro
O professor japonês Hiroshi Ishiguro apresentou um androide feminino que pode sorrir e imitar algumas expressões humanas. 
Usando um sistema de captura de movimentos, o robô, chamado Geminoid TMF, pode, sem maiores dificuldades, movimentar o seu rosto de borracha.
Esses dois robôs humanoides foram desenvolvidos por pesquisadores Japoneses para imitarem os movimentos de qualquer pessoa que estejam olhando.
Desenvolvido pelo instituto japonês AIST, o robô humanoide 'HRP-4C' canta canções acompanhada de piano que toca sozinho, da Yamaha, em demonstração da tecnologia de sintetização de voz da companhia chamada 'Vocaloid', durante a Ceatec, maior feira de eletrônicos da Ásia, em Chiba, no Japão
Cientistas suíços apresentaram  o protótipo de um robô humanoide com grandes olhos que promete ser um novo passo na criação de máquinas que cumpram tarefas para seres humanos.
Roboy foi criado por equipe com mais de 40 engenheiros e cientistas (Foto: Arnd Wiegmann/Reuters)

Robô humanóide extremamente realista "observa" pacientes em hospitais no Japão

Diferentes "ângulos" do Actroid-F, com sua estrutura robótica por baixo da fisionomia assustadoramente humana. Crédito: Crunch Gear.
Centro Universitário FEI: av.Humberto de Alencar Castelo Branco 3.972, bairro Assunção - São Bernardo do Campo, São Paulo.
Os robôs humanóides andam, correm e chutam bola em partidas acirradas
As Leis da Robótica criadas por Asimov
Apresentadas no livro Eu, Robô, as 3 Leis da Robótica foram criadas por Asimov, como condição de coexistência dos robôs com os seres humanos, como prevenção de qualquer perigo que a inteligência artificial pudesse representar à humanidade. São elas:

1ª lei: Um robô não pode ferir um ser humano ou, por falta de ação, permitir que um ser humano sofra algum mal.

2ª lei: Um robô deve obedecer às ordens que lhe sejam dadas por seres humanos, exceto nos casos em que tais ordens contrariem a Primeira Lei.

3ª lei: Um robô deve proteger sua própria existência, desde que tal proteção não entre em conflito com a Primeira e Segunda Leis.

Mais tarde, no livro Os Robôs do Amanhecer, o robô Daneel viria a instituir uma quarta lei: a 'Lei Zero':

Lei Zero: Um robô não pode fazer mal à humanidade e nem, por falta de ação, permitir que ela sofra algum mal.

Muitas de suas obras serviram de inspiração para filmes e séries sobre robôs.

Isaac Asimov mostra toda sua genialidade prevendo, em 1988, a importância da Internet na educação e em nossas vidas. Numa entrevista gravada em 1988 por Bill Moyers no programa de TV World of Ideas, Asimov prevê, entre outras coisas, as redes sociais e aplicações como a Wikipedia, Google, Yahoo Answers, etc.

Ele fala de “bibliotecas enormes conectadas” onde todos poderiam acessá-las de sua própria casa, procurando apenas aquilo que lhe fosse interessante. Disse também que isso tudo revolucionaria (ou deveria revolucionar) as escolas, o ensino, em geral.

Criticou o sistema de ensino (que existe até hoje) que todos devemos aprender a mesma coisa, no mesmo dia, no mesmo lugar e no mesmo ritmo e que essa teia conectada iria mudar tudo isso.

Fontes:http://veja.abril.com.br/blog/vida-em-rede/tag/robos-humanoides/
http://novosinsolitos.blogspot.com.br/2013/06/isaac-asimov-previu-em-1988-como-seria.html



Nenhum comentário:

Postar um comentário

AGRADEÇO SUA VISITA.
VOLTE SEMPRE.