"Somos Físicos". Assuntos diversos relacionados a Ciência, Cultura e lazer.Todos os assuntos resultam de pesquisas coletadas na própria internet.

Welcome To My Blogger

terça-feira, 29 de outubro de 2013

ESTRELAS FASCINANTES

No que diz respeito às estrelas, a nossa é bastante comum e simples: uma bola gigante de gás absurdamente quente que apareceu há alguns milhares de milhões de anos, restando-lhe ainda mais alguns milhares de milhões. 
Mas o nosso sol é apenas uma entre pelo menos 70 sextilhões de estrelas no universo. Com um número tão grande, existem estrelas muitos mais interessante e bizarras do que a nossa. Conheça aqui 10 das mais interessantes.

10. Estrelas duplas com planetas duplos a circundá-las
Até ao momento, apenas quatro planetas foram descobertos orbitando um sistema duplo de estrelas, o que significa que Tatooine é ainda menos provável que exista do que você poderia ter imaginado. 
Assim, quando um sistema de dupla estrela recente foi descoberto com não um, mas dois planetas que orbitam ao redor deles, a reação dentro da comunidade científica era nada menos do que puro choque.
O sistema Kepler-47 tem duas estrelas, uma mais ou menos do tamanho do Sol e outras três vezes mais pequena. A orbitando as duas está um par de planetas, sendo que um deles fica na lendária "zona habitável", a distância de uma estrela igual à nossa, sendo um sinal potencial para a vida. 
Ou melhor, seria se o planeta em questão não fosse um gigante gasoso. Independentemente disso, a existência do sistema Kepler renova a esperança entre os astrónomos de que existam planetas habitáveis.
Estrelas duplas com planetas duplos a circundá-las
9. Uma fria estrela a morrer que ainda é mais brilhante do que a nossa 
O nosso Sol, como a maioria das estrelas, é um pouco quente. Não é até que elas começam a morrer que as estrelas arrefecem para um nível apenas ligeiramente menos tolerável do que nadar em lava derretida. 
Quando isso acontece, porém, essas estrelas tornam-se praticamente invisíveis, especialmente para a visão. Mas tal não é o caso de La Superba, um gigante vermelho a morrer que fica a cerca de 710 anos-luz de distância. 
Com cerca de 2400°C, La Superba é praticamente frígida, em termos estelares. E ainda assim ela brilha com um brilho que faz com que o nosso Sol pareça escuro, com mais de 4400 vezes mais luminosidade (principalmente atribuída a grandes quantidades de radiação infravermelha). 
Esta radiação ajuda a dar a La Superba uma aparência vermelha incrivelmente brilhante, o que lhe permite ser vista a olho nu.
Uma fria estrela a morrer que ainda é mais brilhante do que a nossa
8. A estrela que transformou outra estrela em diamante
Em muitos casos, um sistema estelar binário inclui uma estrela que realmente faz coisas, enquanto a outra está muito ocupada a ser destruída para contribuir. Uma tal relação, entre PSR J1719 -1438 e os seus irmãos falecidos PSR J1719 - 1438b, resultou na estrela morta sendo alterada de uma forma muito incomum. 
1438b, uma anã branca extinta, foi despojada de praticamente todas as suas qualidades de estrela, deixando para trás um núcleo rochoso que é mais planeta do que estrela. Mais do que provável, o assassino é a estrela hospedeira, cuja gravidade sugou toda a massa de 1438b, deixando para trás nada além de um núcleo.
Apesar de pequena e despojada de todos os elementos excepto o carbono e o oxigénio, 1438b é incrivelmente denso e pesado, mais ainda do que Júpiter. 
Esta composição ultra-compacta parece ser de natureza cristalina, o que significa que grande parte do PSR J1719 - 1438b provavelmente assemelha-se a um gigante diamante.
A estrela que transformou outra estrela em diamante

7. A estrela pouco maior do que Júpiter
Uma das primeiras coisas em que você pensa sobre as estrelas, além de "é muito quente" é "elas são grandes". No nosso Sol podem caber cerca de 1,3 milhões de Terras e ainda é uma das estrelas mais pequenas que conhecemos. 
Mas em comparação com OGLE-TR 122b, é gigantesca. OGLE é uma anã castanha, o que significa que nunca ganhou tamanho suficiente, calor ou energia nuclear para ser uma estrela eficaz por conta própria. Ela tem uma outra estrela, muito maior no seu sistema para orbitar.
Mas mesmo as mais fracas anãs castanhas são geralmente muito grandes, sendo que OGLE é uma exceção. OGLE é apenas 16 a 18% maior do que Júpiter, fazendo dela a menor estrela já vista pelos cientistas, sendo até menor do que muitos planetas conhecidos noutros sistemas solares e galáxias. 
No entanto, continua a ser uma estrela em plenos direitos, sendo também brilhante como qualquer outra estrela. No entanto, sendo tão pequena e tão fraca, ela provavelmente não teria sobrevivido sem a sua grande irmã para a apoiar.
A estrela pouco maior do que Júpiter
6. A mais massiva estrela no Universo
Neste caso, "massiva" não significa "grande". Não, nós estamos a focar-nos no peso e massa pura, e o atual campeão é o grande R136a1. Esta gigante azul é 265 vezes mais pesada do que o Sol, uma façanha que se pensava ser uma impossibilidade física. 
Mais bizarro ainda é que os cientistas acreditam que esta estrela tem realmente perdido peso ao longo do tempo, desde que se formou há vários milhões de anos, podendo ter pesado 320 vezes mais do que o sol. 
E se isso não bastasse, ele também supera o Sol em tamanho, sendo cerca de 35 vezes maior do que o pobre e velho Sol. Mas esta estupidamente grande e pesada estrela não pode durar muito tempo, como é evidenciado pela rápida perda de peso. 
Os cientistas esperam que R136a1 expluda em apenas alguns milhões de anos. No lado positivo, fica a mais de 170.000 anos-luz de distância, por isso não vamos ser afetados por ela.
A mais massiva estrela no Universo
5. As estrelas que roubaram luas a planetas
No nosso sistema solar, os planetas menores são os mais próximos ao Sol, todos os nossos gigantes gasosos estão enfiados na seção de comida congelada da nossa pequena loja do cosmos. Outras estrelas, no entanto, guardam os seus maiores planetas perto delas, bem perto. 
Estes planetas gigantescos são chamados de Júpiter quentes, e muitos estão muito mais perto da sua estrela do que Mercúrio está da nossa. E evidência recente mostrou que esses planetas podem ser vítimas de roubo. Os planetas massivos como Júpiter exercem uma elevada força gravitacional, sendo que é facil para eles acumularem detritos na sua órbita e ter vastos números de satélites. 
No entanto, a enorme força gravitacional da estrela muitas vezes gigantesca gradualmente puxa o planeta cada vez mais perto, e uma vez que fica a uma distância atingível a estrela vai confiscar todas as luas que orbitam o planeta, forçando-as a girar em torno de si mesma e, em última análise, sugando-as e incinerando-as completamente.
As estrelas que roubaram luas a planetas
4. As duas estrelas metálicas de chumbo-pesados
Geralmente, uma estrela com nada além de gás puro é uma raridade. O nosso Sol tem 10 mil milhões de vezes mais hidrogénio do que o chumbo, por exemplo, por isso, quando duas estrelas encontradas são positivamente embaladas com metal, os cientistas tendem a prestar atenção. 
As subanãs azuis HE 2359-2844 e HE 1256-2738 contêm quantidades gigantescas de chumbo - com 10.000 vezes mais do que o nosso sol. Além disso, as estrelas também contêm 10 mil vezes mais ítrio e zircónio do que o Sol, o que levou a ciência a criar uma nova categoria descritiva: "Sub-anãs de metais pesados​​", composta exclusivamente por estas duas estrelas. 
Mas o metal na superfície dessas estrelas não está espalhado em algum terreno ensolarado estranho. Continua a ser uma grande bola de gás. Grande parte desse metal, especialmente o chumbo, encontra-se numa enorme camada de nuvens com mais de 100 quilómetros de espessura. Outros elementos metálicos podem produzir outros, possivelmente mais pesados, bem como outras camadas.
As duas estrelas metálicas de chumbo-pesados
3. O maior sistema de estrelas triplo já descoberto 
Sistemas de estrelas triplos não são uma coisa nova ou até mesmo uma coisa recorde de exploração; nós encontramos um sistema quíntuplo de estrelas. Mas, geralmente, essas estrelas são bastante próximas umas das outras. 
Tal não é o caso do sistema Fomalhaut. Uma vez pensado ser um sistema com duas estrelas regulares, notável devido a um grande disco de detritos e não muito mais, a sua visão foi modificada por um terceiro companheiro recentemente descoberto e um muito isolado do resto do grupo.
LP867-10 tinha sido familiar para os astrónomos, mas foi considerado um mero vizinho do sistema Fomalhaut. No entanto, novos dados sobre a velocidade da estrela e os padrões de movimento colocam-no firmemente dentro de Fomalhaut, ganhando o nome criativo de Fomalhaut-C. 
Fica extremamente longe de Fomalhauts A e B (se observamos as três estrelas do nosso céu, C ficava a cerca de 11 luas da Terra dos outros dois), mas todos os sinais apontam para as três estrelas trabalharem em conjunto para aquecer a sua pequena parte do universo.
2. A estrela que está a ser comida por um buraco negro 
É de conhecimento comum que os buracos negros são extremamente famintos, lentamente engolindo qualquer coisa que passe muito perto das suas bocas gravitacionais. Mas é extremamente raro ver isso acontecer, e ainda menos frequentes quando o prato principal é uma estrela. 
Os cientistas descobriram uma estrela, chamada Swift J1644+57, que está a ser devorada por um buraco negro um milhão de vezes mais massivo do que o sol. Esta descoberta ocorreu porque os cientistas notaram brilhantes explosões de raios gama que eram diferentes, mais brilhantes, e que se moviam mais rapidamente do que a maioria dos outros raios gama que tinham visto. 
Na verdade, como os raios estavam a aproximar-se do centro da sua galáxia, eles estavam a mover-se a 99,5% da velocidade da luz, o que praticamente nunca acontece. Os cientistas concluiram que a fonte de raios foi o jantar de um enorme buraco negro, que geralmente se forma no centro de uma galáxia. As câmeras foram apontadas para a fonte, e várias fotos dos dias finais da estrela foram registados para a posteridade.
A estrela que está a ser comida por um buraco negro
1. A estrela que fechou por um ano e meio
PSR J1841-0500 é um pulsar, uma ultra-leve e ultra-rápida estrela que pode completar uma rotação em menos de metade de um milésimo de segundo. Tal velocidade absurda faz com que os raios extremamente brilhantes de luz (conhecido como pulsos) passem em intervalos regulares. 

No entanto, em 2009, os pesquisadores notaram que os pulsos regulares de luz simplesmente pararam. Se isso tivesse acontecido com o nosso Sol, teríamos congelado demasiado rápido para realmente perceberem. 

Mas os astros pulsar param regularmente, normalmente só por alguns minutos até uma hora. No entanto, PSR J1841-0500 desligou (e assim permaneceu) durante 580 dias. Depois de um tempo, os pesquisadores declararam a estrela morta. Mas, em agosto de 2011, a estrela reapareceu, pulsando regularmente de novo, como se nada tivesse acontecido. 

Ninguém sabe ao certo porque a estrela se desligou, o que fez com que ela se voltasse a ligar novamente, ou se ela ainda estava a girar (embora muito mais lentamente) durante a sua pausa. O seu ressurgimento, no entanto, abre a possibilidade de que mais pulsares possam abrandar e desaparecer a qualquer momento, recuperando efetivamente o fôlego sem realmente secar e morrer.
A estrela que fechou por um ano e meio
fontes:
http://www.ciencia-online.net/2013/10/10-estrelas-fascinantes.html




terça-feira, 22 de outubro de 2013

ESTRELAS CADENTES


Assim como orcas não são baleias e tomates não são legumes, estrelas cadentes não são estrelas. São rastros luminosos de meteoroides (pequenos pedaços de material sólido que vagam pelo espaço entre os planetas do Sistema Solar) que entram na atmosfera da Terra e queimam com o atrito.
A maior parte dos meteoroides vem dos cometas: eles orbitam o Sol e, quando passam perto dele, o calor faz com que algumas partes se desprendam e continuem circulando pela órbita do cometa, viajando ao redor do Sol.
Quando a Terra cruza essa órbita, ou passa muito perto dela, o planeta pode chocar-se com estes pequenos pedaços. A uma velocidade de até 250 mil km/h, eles entram em contato com os gases da nossa atmosfera, queimam por atrito e produzem aqueles traços luminosos. 
São as estrelas cadentes ou, usando termos científicos, meteoros.
A maioria deles queima-se completamente entre 90 e 130 quilômetros de altitude. Leva poucos segundos para se desintegrar, e o rastro luminoso dura pouco. Chuvas de meteoros acontecem o tempo inteiro, só que são mais visíveis nas noites escuras - entre as fases minguante e crescente da lua.
Como o movimento da Terra é bem determinado e as órbitas dos cometas são conhecidas, é possível prever chuvas de meteoros com antecedência. 
 A chuva de estrelas cadentes é tão famosa que tem até nome: Leônidas. O nome decorre do fato de ela ocorrer na direção da constelação do Leão - isso não quer dizer que os meteoroides vêm de lá: é apenas um ponto de orientação para quem quiser observar a chuva.
Há meteoroides maiores que surgem durante a colisão de asteroides e se encontram com a Terra no caminho. Eles provocam grandes meteoros, algo muito mais visível que as estrelas cadentes (que são finos traços luminosos). Quando o meteoroide atravessa a atmosfera e cai na superfície terrestre sem ser totalmente desintegrado no ar, ele passa a ser chamado de meteorito.

Os meteoritos

Apesar de alguns provocarem crateras imensas e grande destruição, os meteoritos, quando analisados, são úteis para identificar a origem e as características dessas rochas espaciais.
Hoje, os cientistas os classificam em três categorias, de acordo com a composição química: metálicos, ferropétreos e rochosos.
Os metálicos são constituídos de uma liga de ferro (90 a 95%) e níquel (5 a 10%). Eles costumam ter a superfície lisa e arredondada, por causa da fricção com o ar, do aquecimento e da fusão do metal no momento em que entram na atmosfera. Eles também apresentam depressões, que parecem ter sido modeladas com os dedos. São fortemente atraídos por ímã.
Os ferropétreos são compostos de silicatos - porque são ricos em silício e oxigênio - e uma mistura de ferro e níquel. São mais raros e parecem rochas comuns - só que dentro deles, há cristais escuros e arredondados feitos a partir de minerais.
E os rochosos são os mais parecidos com as rochas terrestres - tanto do lado de fora quanto de dentro. Pesquisas indicam que são os materiais mais antigos do Sistema Solar - existem há 4,6 bilhões de anos.
Consultoria: Enos Picazzio, professor no Departamento de Astronomia do Instituto de Astronomia, Geofísica e Ciências Atmosféricas da USP
Russia-14-02-2013

sábado, 12 de outubro de 2013

AS PARTÍCULAS ELEMENTARES DA FÍSICA QUÂNTICA

http://www.ciencia-online.net/2013/06/o-que-e-um-atomo.html
                                                       Bóson                                                         
 Uma classe de partículas frequentemente associadas com forças (como portadoras de força).
Elas obedecem às estatísticas de Bose-Einstein, e foram nomeadas em homenagem ao físico indiano Satyendra Nath Bose (1894-1974).
O bóson de Higgs, proposto por Peter Higgs (entre outros) em 1964 – se existir realmente – é a partícula que dá massa à matéria.
O apelido de partícula-Deus, ou partícula de Deus, foi dada pelo físico norte-americano Leon Lederman – “se Deus fez a luz, o bóson de Higgs deu-lhe materialidade”.


Quark
Uma partícula fundamental que se combina para formar uma série de outras partículas, incluindo os bem conhecidos prótons e nêutrons, as partículas que compõem o núcleo atômico.
O termo foi tirado do intraduzível romance Finnegans Wake, de James Joyce, pelo físico norte-americano Murray Gell-Mann (nascido em 1929) em 1962.
Gell-Mann conta que teve a ideia do som, e queria batizar a partícula de kwork.
“Então, em uma das minhas folheadas ocasionais de Finnegans Wake, de James Joyce, deparei-me com a palavra ‘quark’ na frase ‘Três quarks para Muster Mark’,” conta ele em seu livro, o Quark e o Jaguar.


Hádron
Uma partícula feita de quarks.
O nome foi proposto pelo físico teórico russo Lev Okun (nascido em 1929) em 1962.
Ele escreveu: “Neste relatório, vou chamar as partículas de interação forte de hádrons… o grego ‘hadros’ significa ‘grande’, ‘maciço’, em contraste com ‘leptos’ que significa ‘pequeno’, ‘leve’. Espero que esta terminologia demonstre-se conveniente.”
O famoso LHC, o maior experimento científico já construído , mostra bem do que se trata – seu nome é Grande Colisor de Hádrons (a sigla vem do inglês Large Hadron Collider)
Ou seja, o LHC é uma máquina onde hádrons são acelerados a altas velocidades e direcionados para chocarem-se uns contra os outros. Foi lá que as pegadas mais fortes de bósn de Higgs e foram encontradas.

       Férmion

Uma classe de partículas que, ao contrário dos bósons, obedecem as estatísticas de Fermi-Dirac.
Os férmions são normalmente associados com a matéria, em vez da força.
Eles são foram batizados em homenagem ao físico italiano Enrico Fermi (1901- 1954), considerado um dos pais da bomba atômica, juntamente com Robert Oppenheimer.
Um tipo de férmion proposto pelo físico britânico Tony Skyrme (1922-1987).
                                                          Glúon

Um tipo de bóson respovela força forte entre os quarks.
O termo deriva d palavra inglesa glue (cola).
Foi proposta pela primeira vez em 1962 por Murray Gell-Mann, que sugeriu a existência de partículas compostas de certo número de glúons, que ele chamou glueballs.
Neutrino
Partículas sem carga elétrica criadas como resultado de certos tipos de decaimento radioativo, com uma massa minúscula, mesmo para os padrões das partículas subatômicas.
Elas foram as estrelas de uma controvérsia recente, sobre se poderiam ou não viajar em velocidade maior do que a da luz.
Neutrino significa “um pequeno neutro” em italiano.
A existência dessa partícula foi proposta por Wolfgang Pauli (1900-1958) em 1930, que lhe deu o nome de “nêutron”.
Enrico Fermi rebatizou-a três anos depois, porque “nêutron” (do latim para “neutro”) estava então sendo usado para se referir à partícula sem carga presente no núcleo atômico.

Elétron

Uma quantidade indivisível de carga elétrica, proposta em 1894 pelo físico irlandês George Johnston Stoney (1826-1911).
Derivado da palavra “elétrico” (ou do latim “elektro”) mais o sufixo grego “-on”.

 Méson
Laws of symmetry
Tradução:
Espere até que a simetria é esclarecido em primeiro lugar!
Se o ser alienígena é feito de antimatéria, um abraço resultará em ambos desaparecendo numa nuvem de energia.
Uma partícula composta de um quark e um anti-quark.
O nome vem do grego “meso” que significa “meio”, porque os mésons, quando observados pela primeira vez, pareciam ter uma massa em algum lugar entre a massa de um elétron e dos núcleons (as partículas – prótons e nêutrons – que compõem o núcleo atômico).

Múon

Uma de um grande número de partículas com o nome de letras do alfabeto grego, neste caso, “mu”.
Ela foi originalmente pensada para ser um tipo de méson (o méson mu, distinta, digamos, do méson pi), mas foi rebatizada mais tarde.
Os mésons passaram a ser entendidos como partículas feitas de quarks, enquanto os múons são partículas elementares.
Os cientistas do CERN encurralaram o bóson de Higgs (ou o provável bóson de Higgs) utilizando um detector conhecido como CMS (Compact Muon Solenoid), que mede a energia e o momento de múons, fótons, elétrons e outras partículas geradas pelas colisões de hádrons.
Lépton 
É um tipo de partícula elementar (os exemplos incluem os elétrons e os neutrinos), cujo nome vem do grego “leptos” que significa “pequeno” ou “leve”.

Fóton 
Um quantum de luz. O nome deriva do grego “phos”, que significa “luz”.

Próton

Nome dado ao núcleo de hidrogênio por Ernest Rutherford, em 1920. A palavra vem do grego “protos”, que significa “primeiro”.

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

O BOSON DE HIGGS E A PARTÍCULA DE DEUS


Inicialmente, o estudo de Peter Higgs sobre a nova partícula foi rejeitado.
O ministro da Ciência do Reino Unido uma vez realizou um concurso nacional para encontrar a melhor explicação Higgs.
O "Large Hadron Collidor" (LHC), a máquina de aceleração de partículas usada para descobrir o bóson de Higgs, custou mais 6 bilhões de libras esterlinas (em torno de R$ 21 bilhões)
A teoria diz que, como o universo esfriou após o Big Bang, uma força invisível conhecida como o campo de Higgs foi formado.
 Partículas, então, ganham sua massa quando passam por este campo.
O bóson de Higgs é um elemento-chave da estrutura fundamental da matéria conhecida como a "Partícula de Deus".
No "modelo padrão", a teoria da estrutura fundamental da matéria elaborada nos anos 60 para descrever todas as partículas e forças do universo, o bóson de Higgs é considerado a partícula que proporciona sua massa a todas as demais.
Ao tentar isolar os menores componentes da matéria, os físicos descobriram várias séries de partículas elementais.

Seis tipos de quarks, chamados "up" (para cima, em inglês), "down" (para baixo), "charm" (encanto), "strange" (estranho), "top" (em cima) e "bottom" (embaixo), fazem parte dos componentes básicos ou "tijolos elementais" da matéria, como o elétron e seus irmãos, o múon e o tau, e três tipos de neutrinos.


Estas 12 partículas interagem entre elas, por intermédio de mensageiros, chamados bósons. Um deles é o fóton, que porta a radiação eletromagnética, e outro é o glúon, que proporciona a coesão dos núcleos atômicos.
O fóton, que viaja à velocidade da luz, não tem massa. No entanto, nossa experiência nos faz sentir a presença da matéria, composta por átomos e, portanto, também quarks e elétrons.

De onde vem essa massa? Os cientistas explicam que não provém propriamente das partículas.
Em 1964, por dedução, o físico britânico Peter Higgs postulou que existia o bóson que hoje leva seu nome e que devia dar sua massa a outras partículas.
"A ideia é que existem partículas que se chocam permanentemente com bósons de Higgs. Estes choques freiam seu movimento, que se torna mais lento, e dão a eles a aparência de uma massa", explica o físico e filósofo Etienne Klein.
Klein compara este fenômeno com um homem que tenta passar correndo em meio a uma multidão, que freia sua corrida e faz com que diminua sua velocidade.
Também compara o campo de Higgs com uma espécie de cola em meio à qual se encontrariam relativamente aderidas as partículas, o que seria percebido como uma massa.
O bóson de Higgs é chamado de "Partícula de Deus" por causa de um livro que teve o título trocado. O Prêmio Nobel de Física Leon Lederman queria chamá-lo de "The Goddamn Particle" ("a partícula maldita"), por ser difícil de encontrá-la. O editor tirou o termo "damn" e colocou o título de "The God Particle", já que temia que a palavra "maldita" fosse considerada insultante.
O Grande Colisor de Hádrons, (em inglês: Large Hadron Collider - LHC), é o maior acelerador de partículas e o de maior energia existente do mundo. 
O laboratório localiza-se em um túnel de 27 km de circunferência, bem como a 175 metros abaixo do nível do solo na fronteira franco-suíça, próximo a Genebra, Suíça.

lhc-sim.jpg
 LHC está funcionando desde 10 de Setembro de 2008. 

A primeira colisão entre prótons ocorreu 30 de Março de 2010.

Ao contrário dos demais aceleradores de partículas, a colisão é entre prótons e não entre pósitrons e elétrons (como no LEP), entre prótons e antiprótons (como no Tevatron) ou entre elétrons e prótons (como no HERA).

Alguns dados fantásticos do acelerador;
A maior máquina do mundo.
A circunferência exata do LHC é de 26.659 m e contém 9 300 imans (magnetos). 
Além de ser o maior acelerador de partículas do mundo, unicamente uma oitava parte do seu sistema de criogenia já seria o maior 'frigorífico' do mundo!
O mais frio - Todos os magnetos são pré-refrigerados a -193,20C (80 K) utilizando 10.080 t de azoto líquido, antes de ser cheio com 60 t de hélio líquido que os levam a -271,3ºC (1,9 K), quase o zero absoluto.
O circuito mais rápido do mundo
À sua velocidade máxima o trilião de protões lançados a 99,99 % da velocidade da luz, vão efectuar 11.245 vezes a volta do acelerador por segundo. 
Dois feixes de protões viajando cada uma energia máxima de 3,5 TeV, permitem assim a colisões frontais a 4 TeV, o que dará lugar a cerca de 600 milhões de colisões por segundo.
O espaço mais vazio do sistema solar.
Para evitar colisões com as moléculas de gás presente no acelerador, os feixes viajam num cavidade tão vazia como o espaço. interplanetário, ao que se chama o 'ultravazio'. A pressão interna do LHC é de 10−13 atm, o que é seis vezes inferior à pressão existente na Lua.
Os pontos mais quentes da galáxia no anel mais frio do universo
O LHC é a máquina das temperaturas extremas. Quando dois feixes de protões entram em colisão, geram num espaço minúsculo, temperaturas mais de 100.000 vezes superiores às existentes no centro do Sol.
Por outro lado, o sistema de distribuição criogénica mantém-no quase no zero absoluto.
Os maiores e os mais sofisticados detectores
Para seleccionar e registrar os dados, no sentido de informação, dos acontecimentos (eventos) mais interessantes entre os milhões de colisões, os físicos e engenheiros construíram aparelhos gigantescos que medem os traços das partículas com uma precisão do mícron. Detectores como ATLAS e CMS estão equipados com sistemas electrónicos de lançamento de acções que medem o tempo de passagem de uma partícula a 1 x 10−12 do segundo. Estes sistemas também registam a posição das partículas ao 1 x 10−6 do metro. Tal rapidez e precisão é necessária para se poder ter a certeza que um acontecimento registrado nas diferentes 'camadas' do detector é sem dúvida o mesmo.
O mais potente supercomputador
Com esta energia e luminosidade espera-se observar o bóson de Higgs e assim confirmar o modelo padrão das partículas elementares.
Sua construção e entrada em funcionamento foram alvo de um filme da BBC sobre um possível fim do mundo, e têm gerado uma enorme polêmica na Europa.
Amplificadores serão usados para fornecer ondas de rádio que são projetadas dentro de estruturas repercussivas conhecidas como cavidades de frequência de rádio. 
Exatamente 1232 ímãs bipolares supercondutores de 35 toneladas e quinze metros de comprimento agirão sobre as transferências de energias dentro do LHC.
Os detectores de partículas ATLAS, ALICE, CMS e LHCb, que monitoram os resultados das colisões, possuem mais ou menos o tamanho de prédios de cinco andares (entre 10 e 25 metros de altura) e 12 500 toneladas. 
O grande acelerador de partículas acelerou em 1 de novembro de 2009 partículas a uma velocidade nunca antes alcançada.
O LHC tornou-se o acelerador de partículas mais poderoso do mundo, ao impelir os seus dois feixes de protões a uma energia de 1,18 Tera electrão-volt (TeV). O recorde era detido por um dos concorrentes do CERN, o Fermilab de Chicago, que conseguiu acelerar partículas a uma velocidade de 0,98 T em 2001.

“O “bóson de Higgs”, partícula fundamental que fornece massa a todas as outras partículas e que, portanto, é responsável por formar simplesmente toda a matéria do universo”. A hipótese de que o Bóson de Higgs seja o mecanismo que confere massa a algumas das partículas elementares, é muitas vezes interpretada como explicação da “origem” da própria matéria e do universo. Por isso, o apelido “Partícula de Deus” pegou. Poderiam chamar também de “o Bóson da Criação”. É um mecanismo físico que pretensamente justificaria a Criação do universo, tanto aos olhos dos religiosos, como, infelizmente, de muitos físicos não-religiosos, mas bastante confusos filosoficamente. Para desfazer a confusão, comecemos por compreender que a massa e a matéria são duas coisas diferentes. 
Matéria é tudo aquilo cuja existência independe de nós, sejam partículas, campos, energia, luz, seres vivos etc. A matéria está em permanente movimento, aliás, o próprio conceito de matéria é inseparável do conceito de movimento, a matéria só existe enquanto movimento. Matéria é um conceito contraposto à Idéia, cuja existência sim, depende de nós. A massa é apenas UMA das infinitas características (qualidades) da matéria em movimento. Outras seriam, por exemplo, a carga elétrica, o spin (o “giro” da partícula, como no artigo citado), a quantidade de movimento etc.
Indo ao nosso mundo macroscópico, poderíamos somar, por exemplo, a densidade, a dureza, a cor, a resistência elétrica, a temperatura, entre outras. Recorrendo à biologia, poderíamos somar a vida como uma das características possíveis da matéria, e no nosso caso, de humanos, mamíferos superiores como se diz no artigo, até a consciência, como característica mais elevada conhecida da matéria. A matéria tem infinitas características, expressões de seu movimento infinito. Algumas destas características são conhecidas por nós, outras, ainda não (assim como a carga elétrica, entre outras, não era conhecida em épocas mais remotas).
A massa é talvez a mais óbvia de todas as características da matéria, daí a confusão entre massa e matéria, que leva muitos a compreenderem a matéria como aquilo que tem massa, que se pode tocar, apertar, ver, ou seja, acessível diretamente a nossos sentidos. Mas a massa é definida cientificamente como a medida da resistência da matéria em alterar seu estado de movimento mecânico. Todos compreendem como é mais fácil frear uma moto do que um pesado caminhão. Exatamente porque o caminhão tem mais massa, é mais difícil acelerá-lo ou freá-lo, ou seja, alterar seu estado de movimento. Essa resistência a alterar o estado de movimento (em física expressa no Princípio da Conservação da Quantidade de Movimento e na Lei da Inércia) é uma expressão particular para o movimento mecânico da tese fundamental da filosofia materialista dialética, a indestrutibilidade do movimento da matéria (Engels, A Dialética da Natureza). Quer dizer, segundo Engels (e de acordo com os princípios físicos de conservação da massa, energia e quantidade de movimento), a matéria em movimento não pode ser nem criada nem destruída, só transformada de uma forma em outra. 
No caso do caminhão sendo freado, seu movimento não acaba, apenas é transformado em outros, por exemplo, se transferindo ao próprio planeta Terra, que se acelera um pouquinho no sentido contrário aquele em que se freia o caminhão (esse pouquinho é imperceptível, dada a imensa diferença de massa entre o caminhão e o planeta inteiro, mas ele existe!).
 Na linguagem dos físicos, esta é a conservação da quantidade de movimento.
Também a freada se traduz em calor nas pastilhas de freio, ruído, faíscas etc, que também são expressões do movimento da matéria. Na linguagem dos físicos, esta é a conservação da energia. Há muitas outras leis de conservação nas ciências, todas elas expressões particulares do mesmo princípio geral – a indestrutibilidade do movimento da matéria. Ou seja, da própria definição da massa como resistência a alterar o estado de movimento mecânico da matéria, já surge a idéia que esta é indestrutível em seu movimento.
A matéria não pode ser criada, não houve Criação ,a matéria não pode ser destruída, não haverá Juízo Final

Todo esse preâmbulo foi necessário para chegar à pergunta: Por que afirmar que a massa “forma” a matéria, se ela é apenas uma de suas qualidades? Existem inclusive muitas formas de matéria sem massa, como os fótons (grosso modo, partículas da luz), entre outras.
 De onde sai a afirmação de que “o Bóson de Higgs é responsável por formar toda a matéria do universo”? Se assim fosse, repetindo, seria até justificado chamá-lo de Partícula de Deus...

Mas o Bóson de Higgs não cria a matéria. 
Nada cria a matéria, esta existe em permanente movimento.
 Não nos esqueçamos de que o próprio Bóson de Higgs, se existir, em última análise também é... matéria. O mecanismo de Higgs talvez seja, de acordo com teorias ainda em desenvolvimento, o processo pelo qual se expressaria a massa, a resistência a aceleração, apenas uma das infinitas características da matéria. Da mesma maneira, como o fóton é o mecanismo pelo qual se expressa a força eletromagnética e o hipotético gráviton seria o mecanismo pelo qual se expressaria a força gravitacional, outros bósons de nomes complicados expressariam as forças nucleares e daí por diante. Ou seja, nada a ver com a “origem da matéria”.
A coisa se torna mais grave ainda quando se afirma que “O bóson de Higgs comprovaria justamente que a matéria não só surgiu do nada, como ainda hoje surge constantemente do nada e se transforma constantemente em nada” ou que: “Se o bóson de Higgs for encontrado, ficará definitivamente provado que a matéria pode sim surgir do nada”. Estas afirmações, tão comuns entre muitos físicos, vão contra, como vimos, tanto aos princípios físicos da conservação de massa/energia e quantidade de movimento, como contra a tese fundamental do materialismo dialético, da indestrutibilidade do movimento da matéria. Não há absolutamente nenhum indício científico de que a matéria possa surgir do nada e se transformar em nada (para desespero dos defensores da Criação e do Juízo Final). 
Muito pelo contrário, toda a física mostra a impossibilidade disso, sem absolutamente nenhuma exceção conhecida. A massa, como uma das infinitas qualidades da matéria, até poderia surgir de formas de matéria sem massa, a partir do mecanismo de Higgs, assim como a vida surge da matéria inanimada, mas a matéria não surge nem desaparece, só se transforma em seu perpétuo movimento.
 Não há nada, em nenhuma teoria científica existente, sobre a origem da matéria em si. A afirmação de que a matéria e o universo tenham sido criados, seja por Deus, seja por Higgs, é anticientífica, antimarxista, antidialética e antimaterialista!
Lênin e Einstein
Esse erro de considerar o mecanismo de Higgs como a “origem da matéria” surge da confusão entre matéria e massa. É um erro propositalmente induzido pela filosofia idealista, que aplica um truque de prestidigitação, substituindo a verdadeira essência da matéria como tudo aquilo que existe, independente de nós, por uma definição vulgar de matéria como aquilo que se pode ver e tocar. Assim, quando se desenvolveu a idéia de energia na física, no século XIX, por si, um imenso salto em nossa compreensão da natureza, muitos idealistas e positivistas se aproveitaram para “demonstrar” que o conceito de energia era a prova de que o materialismo estava errado, que havia uma realidade “imaterial”, “energética”. 

Foi a sua desculpa para passar de contrabando para uma concepção idealista do mundo, de que existem coisas “transcendentes”, fora do mundo material (onde estaria Deus). Lênin criticou exaustivamente a esses defensores da “energética” em seu livro “Materialismo e Empiriocriticismo”, mostrando que a energia nada mais era do que outra qualidade, nova então para a humanidade, do eterno movimento da matéria, posição logo depois confirmada por Einstein em sua Teoria da Relatividade, onde demonstrava finalmente que massa e energia são equivalentes, duas expressões de uma mesma coisa. A concepção idealista da “energética” passou assim à lata de lixo da história do pensamento científico, por meio das mãos de Lênin e Einstein. Mas o truque de confundir massa com matéria continua sendo utilizado hoje em dia, seja para justificar a Criação, por meio da “Partícula de Deus”, seja se aproveitando dos indícios atuais de existência de outras formas de matéria (chamadas de matéria e energia escuras), para novamente contrabandear concepções idealístico/místicas, entre muitos outros exemplos.
O Big Bang foi a Criação do universo?
Apesar de toda a boa vontade de muitos cientistas ateus em combater a religião, a maioria erra o alvo. Não é exato afirmar que a Igreja tenha aceitado a contragosto a Teoria do Big Bang. Pelo contrário. Aceitou a teoria sem problemas, porque é uma justificação da Criação, de que o universo foi criado num determinado momento. O fato de a física moderna não ter alcançado ainda o instante mesmo do Big Bang é o último refúgio dos teólogos mais sofisticados . A tese materialista dialética da indestrutibilidade do movimento da matérianega a própria Criação, essa sim é a tese filosófica mortal para a Igreja. 

Para deixar claro, não é objetivo deste artigo negar a Teoria do Big Bang. Esta é uma imensa conquista teórica da ciência moderna, explicando em detalhes a origem DE CADA EXPRESSÃO CONCRETA DE EXISTÊNCIA ATUAL DA MATÉRIA, de cada qualidade conhecida desta, como as partículas subatômicas, os átomos de diferentes elementos, prevendo até, com exatidão, a proporção relativa destes no universo visível! O que sim queremos aqui negar é a interpretação positivista/metafísica de que o Big Bang tenha sido o início do universo, a Criação, pois não há um único indício disso, além do que essa interpretação contradiz os princípios de conservação da física e a tese da indestrutibilidade do movimento da matéria. Contradiz, inclusive, as conquistas mais recentes da física, como veremos mais a frente. 
O Big Bang é a origem DO ATUAL PERÍODO DO ETERNO MOVIMENTO DA MATÉRIA NA REGIÃO DO UNIVERSO ONDE NOS COUBE VIVER. 
Não é a toa que a Igreja adora que chamem o Bóson de Higgs de Partícula de Deus. Pois é a justificativa última de que o universo teve uma origem, que há uma origem para a matéria, ou seja, que o movimento da matéria não seria indestrutível como dizia Engels.
Há então somente duas possibilidades: ou, como dizia Engels, o movimento da matéria é indestrutível, e não houve Criação. Ou “a matéria pode se formar do nada” e então houve Criação. O debate, portanto, se reduz a discutir se a Criação precisou de um Criador ou não. E aí, infelizmente, está hoje concentrado o debate entre ateus e místicos, se a Teoria do Big Bang deixa ou não um lugarzinho para Deus, por menor que este seja. 
Tampouco é a toa que o papa João Paulo II tenha dito que estava muito bem que os físicos estudassem o Big Bang, que a Igreja não tinha nada contra, mas que deveriam abster-se de estudar o que havia antes deste, pois esse é o território da Igreja. O positivismo capitula vergonhosamente a isso, dizendo que se não temos informações sobre como era antes do Big Bang, há que interpretar que o Big Bang é a origem do universo. Dizem inclusive que o Big Bang é a origem do tempo. E se se interpreta o Big Bang como sendo a origem do universo, então não há um antes, e só se pode explicar a origem do universo por meio de algo fora deste – Deus, e nada mais. Os positivistas são incapazes de conduzir consequentemente a polêmica contra a religião. Sua “filosofia” os impede de fazê-lo. Cabe a nós, marxistas, inverter este debate e afirmar bem alto que o movimento da matéria é indestrutível, e que, portanto não houve Criação e não há Criador! Afinal, temos toda a ciência moderna ao nosso lado nessa luta.
Onde o Bóson de Higgs se cruza com a Teoria do Big Bang: a Inflação Caótica
Para essa tarefa podemos, e devemos então, apoiar-nos nas conquistas mais recentes da física e das demais ciências. Se as libertamos da carga de interpretação positivista/metafísica, cada uma delas se converte num poderoso argumento a nosso favor. Assim, a título de conclusão, queremos remeter-nos outra vez à Teoria do Big Bang, e ao que esta diz de fato. Não é verdade de maneira alguma que essa afirme um “início” para o universo, como é comumente aceito. Ela diz, na verdade, o oposto. 

A Teoria do Big Bang em sua versão clássica tinha uma série de problemas e contradições insolúveis. Por exemplo, não podia explicar porque o universo visível é uniforme em grande escala, entre outras, mais técnicas, que não vamos tratar aqui. Assim, surgiu uma variação da Teoria do Big Bang, chamada de Teoria Inflacionária do Big Bang. Ela afirma que no instante imediatamente posterior ao Big Bang houve um período de inflação (expansão) do universo muito acelerada, muito mais intensa do que na teoria “clássica” do Big Bang. Nesta “inflação”, justamente o nosso amigo Bóson de Higgs é o responsável por “criar” a massa de todo o universo, na verdade, multiplicá-la a partir de uma quantidade inicial muito pequena, já presente antes do Big Bang. Essa “versão atualizada” da teoria já prevê a existência de um “antes” do Big Bang, ou seja, que este não é o “início” do universo. O mecanismo da inflação é, aparentemente, só uma pequena alteração da teoria, mas respondeu a todas as contradições e insuficiências da versão anterior, tendo sido um grande passo à frente. Ao mesmo tempo, como é comum na ciência, criou outros problemas, como a previsão de que o universo seria granulado, coisa que não se vê. 
Para resolver estas outras questões, foi dado mais um passo, com a Teoria da Inflação Caótica, que a princípio, conseguiu resolver todos os problemas, graças outra vez ao Bóson de Higgs . Mas as previsões que faz essa teoria são espetaculares e chocaram muitos cientistas. A Teoria da Inflação Caótica prevê taxadamente que o universo não teve uma origem; que o movimento da matéria é eterno e indestrutível, ou seja, reafirma todos os princípios de conservação da física e deixa claro que nem houve Criação nem haverá Juízo Final !  Diz ainda que “nosso universo”, “surgido” no Big Bang, é só um entre infinitos “outros universos”, permanentemente “surgindo”. Não a partir do nada, mas a partir de “outros” universos já existentes, como bolhas surgindo dentro de bolhas (também chamados pelos físicos de “universos-bebês”), num movimento eterno e infinito .
Assim como a Inflação Caótica não prevê nenhuma “origem” para o universo, tampouco prevê nenhum “fim” para este, evitando a assim chamada Morte Térmica do Universo, ou seja, que o universo aos poucos iria se esfriando, por ação da 2ª Lei da Termodinâmica, até que não fosse mais possível a existência de vida nem de nenhum processo físico, químico etc. Restaria um universo escuro, povoado por buracos negros (6) e radiação térmica de baixíssima temperatura. Ou seja, um universo morto, sem movimento, sem vida. 
hipótese da morte térmica do universo nega a tese da indestrutibilidade do movimento da matéria e condena a tudo e a todos a uma terrível morte gelada. A única salvação possível à destruição do universo, seria “fora do universo”, ou seja, em Deus. É a mais sofisticada versão do Juízo Final, e pretensamente “científica”. Engels já combatia esta hipótese em seu “Dialética da Natureza”, dizendo que a ciência viria a descobrir, no futuro, um mecanismo pelo qual o movimento da matéria (incluindo a vida) se reconstituiria e venceria a2ª Lei da Termodinâmica. Hoje essa incrível afirmação de Engels começa a realizar-se.
Se no futuro longínquo nossa “bolha” do universo for permeada fundamentalmente por buracos negros e radiação térmica, isso não significará de maneira alguma, de acordo as previsões da Inflação Caótica, o fim do movimento da matéria. Muito pelo contrário, já que os buracos negros seriam exatamente (outra vez graças a Higgs) a fonte de novas “bolhas de universo” (novos big bangs) surgindo do nosso, de novos “universos”, transbordantes de movimento, de vida.
A nossa porção do universo poderia então até “morrer”, mas somente para dar origem a mais “vida”, na forma de outras “bolhas de universo”. Aliás, como acontece com a vida orgânica em nosso planeta, onde cada ser vivo inexoravelmente morre, mas somente para dar lugar a mais vida.
Cabe aos físicos de verdade comprovar ou negar a teoria da Inflação Caótica. Atualmente é a teoria mais aceita pela comunidade científica. É uma teoria que depende totalmente do Bóson de Higgs e da física derivada dele, que com a possível descoberta deste, recém começa a dar novos passos. 
É particularmente importante em nossa discussão, porque quando a livramos de toda a carga positivista e metafísica, ela demonstra como o próprio desenvolvimento da ciência, aos trancos e barrancos, por tentativa e erro , se aproxima cada vez mais daquilo que afirma a concepção dialética do mundo: de que o movimento da matéria é eterno e indestrutível, ou, nas palavras de Einstein, que “a única constância no universo é a permanente mudança”; e que, finalmente, não houve Criação e que, portanto, não há Criador; que não haverá Juízo Final, e que, portanto, é nossa tarefa, como revolucionários socialistas, construir o paraíso aqui na Terra, a sociedade comunista do futuro, e quiçá um dia, expandi-la por outros corpos celestes!