Welcome To My Blogger
O Blogger "Somos Físicos" aborda assuntos diversos relacionados a Ciência, Cultura e lazer.Todas as postagens são pesquisas coletadas na internet. OUTUBRO ROSA

Welcome To My Blogger

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

O UNIVERSO



Todo o sistema solar, em conjunto com as estrelas visíveis numa noite clara, orbitam em volta do centro da nossa Galáxia, um disco em espiral com aproximadamente 200 bilhões de estrelas, a qual chamamos Via Láctea. 
       A Galáxia mais próxima a nossa Via Láctea é a Galáxia de Andrômeda, é uma galáxia em espiral, tal como a Via Láctea, cuja massa é 4 vezes maior que a nossa e está a 2 milhões de anos-luz de distância. 
      A nossa galáxia, uma entre bilhões de galáxias conhecidas, viaja pelo espaço intergaláctico.
 Nos últimos anos os astrônomos estão encontrando evidências que muitas destas estrelas, como ocorre com o Sol, também possuem seus próprios sistemas de planetas, conhecidos como planetas extra-solar. 

      Em janeiro de 2001 astrônomos já haviam encontrado aproximadamente 50 planetas orbitando em outras estrelas.Estes planetas encontrados são tão grandes como o nosso planeta Júpiter, feitos basicamente de gás.

      A estrela mais próxima do nosso sistema é a Centauri, a uma distância de aproximadamente 4,3 anos luz. 
O ano luz é uma medida de distância utilizada na astronomia, ela equivale ao espaço percorrido durante um ano por um corpo com a velocidade da luz (300.000 km/segundo).

O sistema solar desde os primórdios da civilização foi um tema de curiosidade e estudo.
 Os antigos astrônomos olhando o céu, notavam que alguns pontos luminosos moviam-se no céu entre as estrelas e que durante o ano alteravam o seu brilho. 
Estes corpos com movimento errante foram chamados de Planetas, que significa estrelas viajantes. 

      Estes corpos receberam vários nomes, dados pelos diferentes povos antigos: os egípcios, chineses, mesopotâmios, os gregos, romanos... No início as medidas realizadas para este estudo era pouco precisas e feitas muitas vezes de maneira indireta, utilizando a luz visível para realiza-las. 

      Após a invenção do telescópio outros planetas foram descobertos: Urano (1781), Netuno (1846) e Plutão (1930), além de uma infinidade de outros corpos celestes, como os asteróides e cometas. 

 No início do século 20 os cientistas descobriram outros tipos de ondas que como a luz fazem parte do espectro eletromagnético. Estas ondas no entanto apresentam uma série de vantagens em relação a luz, basta pensar no mau tempo ou no céu encoberto para realizar observações astronômicas. 
 Em 1931 Karl Jansky, descobriu a presença de Ondas de Rádio que chegavam do espaço e interferiam nas comunicações na Terra. Esta descoberta marca o início da radioastronomia, uma técnica de observação tão importante quanto as observações astronômicas por telescópios, possibilitando o estudo de corpos celestes. 
As substâncias de que são feitos os planetas emitem ondas de rádio. 
E essas ondas, diferentemente da luz visível, penetram com facilidade na atmosfera terrestre e suas camadas de nuvens. 
Em 1957 com o início dos vôos espaciais, novos equipamentos indicavam a vantagem em utilizar outros tipos de ondas eletromagnéticas. Afinal com as viagens espaciais e o envio de sondas interplanetárias, muitos dos instrumentos a bordo foram projetados para estudar e medir com grande precisão as propriedades físicas e químicas da atmosfera e da superfície de planetas e mais recentemente do Sol, onde as condições do local na maioria das vezes não são nem um pouco favoráveis. 

     No século 21 o conhecimento do sistema solar está crescendo de maneira surpreendente. 

      O Sistema solar é composto de uma estrela comum, que nos chamamos de SOL e seus planetas;
 MERCÚRIO, VÊNUS, TERRA, MARTE, JÚPITER, SATURNO,URANO e NETUNO.
 Inclui também as Luas dos planetas, numerosos cometas e asteróides, meteoros e o meio interplanetário que é a região compreendida entre os corpos do sistema solar.

O SOL
 O Sol é a fonte mais rica de energia eletromagnética do sistema solar.
 A gravidade do Sol cria pressões extremas e provoca grandes temperaturas internas , capazes de provocar e sustentar reações termonucleares que funde núcleos de hidrogênio produzindo núcleos de hélio. 
Estas reações termonucleares começaram aproximadamente 5 x 109 anos atrás, e provavelmente continuará por mais 5 x 109 anos. A superfície aparente do sol não tem nenhum limite físico, como estamos acostumados com os planetas sólidos (como a Terra), embora quando o vemos da Terra temos a impressão de ver um corpo com uma superfície delimitada. 
      O Sol contém 99,85% de toda a matéria do Sistema Solar. Os planetas, que se condensaram a partir do mesmo disco de matéria de onde se formou o Sol, contêm apenas 0,135% da massa do sistema solar. Júpiter contém mais do dobro da matéria de todos os outros planetas juntos. 
Os satélites dos planetas, cometas, asteróides, meteoros e o meio interplanetário constituem os restantes 0,015%. 


OS PLANETAS
Ficheiro: comparação 1e7m Urano Netuno Sirius B Terra Venus.png
Os planetas, a maior parte dos satélites dos planetas e os asteróides giram em volta do Sol na mesma direção, em órbitas aproximadamente circulares. 
Se olharmos de cima do pólo norte solar, os planetas orbitam num sentido anti-horário. 
      Os planetas orbitam o Sol num mesmo plano, ou próximo, chamado a eclíptica. 
Plutão é um caso especial, porque a sua órbita é a mais inclinada (18 graus) e a mais elíptica de todos os planetas. Por isso, durante uma parte da sua órbita, Plutão está mais perto do Sol do que Netuno. 
O eixo de rotação da maior parte dos planetas é aproximadamente perpendicular à eclíptica. 
As exceções são Urano e Plutão, que estão inclinados para um lado. 

OS PLANETAS TERRESTRES
      Os planetas terrestres são os quatro planetas mais interiores no sistema solar, Mercúrio, Vênus, Terra e Marte. São denominados de terrestres, porque têm uma superfície compacta rochosa tal como a Terra. 
Os planetas Vênus, Terra e Marte têm atmosferas significativas enquanto Mercúrio praticamente não possui...
MERCÚRIO
VÊNUS
TERRA
MARTE

OS PLANETAS JUPITERIANOS
      Júpiter, Saturno, Urano, e Netuno são conhecido por planetas Jupiterianos, ou Jovianos (semelhantes a Júpiter, ou Jove), porque são todos gigantescos comparados com a Terra, e têm uma natureza gasosa tal como Júpiter. Os planetas Jovianos também são referidos como os gigantes gasosos, apesar de poderem possuir pequenos núcleos sólidos.
JÚPITER
SATURNO
URANO
NETUNO

COMETAS E ASTERÓIDES
Cometa é um corpo menor do sistema solar que orbita o Sol
Quando se aproxima do Sol, um cometa passa a exibir uma atmosfera difusa, denominada coma e uma cauda, ambas causadas pelos efeitos da radiaçãosolar sobre o núcleo cometário. Os núcleos cometários são compostos de gelo, poeira e pequenos fragmentos rochosos, variando em tamanho de alguns quilômetros até algumas dezenas de quilômetros.
O cometa de Halley é talvez o mais famoso, ele aparece a cada 76 anos, a sua última aparição foi em 1986. 
      Os asteróides são corpos pequenos, seriam pedaços de rocha no espaço.
 Eles podem ser encontrados no sistema solar, principalmente na região entre o planetas Marte e Júpiter. 

OS PLANETAS ANÕES
" Um planeta é um corpo celeste que está em órbita ao redor do Sol, que tem massa suficiente para sua gravidade supere as forças de coesão do corpo sólido e manter o equilíbrio hidrostático (esférico), que eliminou qualquer corpo que se move em sua órbita ". 

Esta definição foi aprovada em agosto de 24, 2.006, na 26 Assembléia Geral da IAU (União Astronômica Internacional) por um show de mãos de cerca de 400 cientistas e astrônomos, após dez dias de negociações. 

Além disso, a IAU criou uma nova classe de objetos: os planetas anões. 

Um planeta anão, uma vez que a nova definição de agosto de 2006, é um corpo celeste em órbita do Sol: 

- Que tem massa suficiente para sua gravidade supere as forças de coesão do corpo sólido e manter o equilíbrio hidrostático (em uma forma quase esférica), 

Que não é um satélite, mas que não limpar a sua vizinhança orbital. 

De acordo com isso, várias entidades têm acesso ao status de planeta anão, incluindo: Plutão, Eris e Ceres. 

Outros corpo ainda deve ser descoberto e se juntou a essa nomenclatura.

PLUTÃO
ÉRIS
CERES
HAUMEA
MAKEMAKE
Planeta anão Makemake - Também designado um plutóide

OS EXOPLANETAS
Um exoplaneta (ou planeta extrassolar ) é um planeta que orbita uma estrela que não seja o Sol e, desta forma, pertence a um sistema planetário distinto do nosso.
Embora a existência de sistemas planetários há muito tem sido de aventado, até a década de 1990 nenhum planeta ao redor de estrelas da sequência principal havia sido descoberto. Todavia, desde então, algumas perturbações em torno da estrela atribuídas a exoplanetas gigantes vêm sendo descobertas com telescópios mais possantes. Mesmo por estimativas, as observações cada vez mais frequentes de exoplanetas gigantes reforçam a possibilidade de que alguns desses sistemas planetários possam conter planetas menores e consequentemente abrigar vida extraterrestre. Até 2011, já haviam sido catalogados 708 planetas extra-solares e 1235 candidatos, mas a maioria indicou sempre condições inóspitas à existência de vida tal como é concebida em nosso planeta. Os planetas detectados até agora são, em sua maioria, do tamanho ou maior do que Júpiter, e giram na maioria das vezes em órbitas muito próximas da estrela-mãe. Entretanto, os cientistas acreditam que isso se deve a limitações nas técnicas de detecção de planetas, e não porque essas condições sejam mais comuns.
image
Planetas é relativamente pequeno ( exoplanetas descobertos são geralmente de dimensões enormes, simplesmente porque é mais fácil de detectar), entre 2 e 4,5 vezes o tamanho de rádio terrestre.
Mas, apesar de serem maiores, são menos densos, o que indica que são compostas principalmente de gases (como Saturno, Júpiter, Urano, etc) ..
Os dois planetas mais próximos à estrela de Kepler-11 tem as maiores densidades, sugerindo que suas atmosferas possam conter água, hidrogênio e hélio.
Na verdade, exoplanetas não pode ver a olho nu (mesmo fraca estrela brilhando e é difícil de entender paraKepler), mas as transições podem ser obtidas em uma espécie de reação em cadeia da lógica.
O mesmo aconteceu com a descoberta de Netuno, que não era conhecido até 1846 (sua observação exige uma observação bastante poderosos instrumentos). O comportamento da órbita de Urano, que por si só era conhecido, não era normal (que não correspondem às regras conhecidas das órbitas planetárias).
Então começaram a surgir em outra grande massa perto objeto e deve estar interferindo em sua órbita, a inferência que levou os astrônomos a descobrir o vizinho culpado: Netuno.
Assim, a existência de planetas extra-solares descobertos seis pesquisadores da missão Kepler, ainda está para ser analisada sob outros métodos para confirmá-la
PROPORÇÃO DOS PLANETAS, LUAS E SATÉLITES

O Universo é resultado de uma explosão solar, de uma única explosão solar, ou foi arquitetado minuciosamente por um Criador?

Fontes e imagens: National Geographic / NASA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

AGRADEÇO SUA VISITA.
VOLTE SEMPRE.